GCM de Osasco espanca vendedor ambulante; veja vídeo

Por meio de uma nota, a prefeitura de Osasco afirmou que trabalha contra o racismo e que os policiais irão passar por uma formação

Um homem negro que vendia roupas nas ruas teve o seu trabalho e dia encerrados da pior maneira possível: violência policial.

Enquanto vendia os seus produtos no Centro de Osasco (SP), o homem foi abordado por agentes da GCM e espancado no local.

Nas imagens do vídeo é possível ver até quatro agentes participando da ação.

Além disso, enquanto um tenta imobilizar o vendedor, um outro agente o acerta com o cassetete.

No vídeo é possível notar que as pessoas ao redor pedem para que os policiais parem de agredi-lo.

Combate ao racismo

Por meio das redes sociais, a Secretaria de Combate ao Racismo da prefeitura de Osasco emitiu uma nota.

Em nota, afirma que está apurando todo o ocorrido e afirma que tem atuado “na construção de políticas públicas com foco na igualdade racial”.

Além disso, a prefeitura também revelou que um projeto de capacitação para os agentes de segurança está sendo preparado.

Publicidade

Por sua vez, o deputado Emídio de Souza (PT-SP), que já foi prefeito de Osasco, usou as redes para repudiar a atitude da GCM.

“Meu repúdio ao abuso de autoridade desses GCMs de Osasco contra um trabalhador ambulante. Esse tipo de conduta é incompatível com a atuação da Guarda Civil Municipal de Osasco”.

Notícias relacionadas

Tags:

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR