Fórumcast #20
13 de setembro de 2007, 10h33

“Impossível financiar saúde na lógica capitalista”, diz presidente do conselho nacional

Ele diz que críticas à tabela do SUS são falácia e lamenta que o sistema seja refém do sistema privado

Ele diz que críticas à tabela do SUS são falácia e lamenta que o sistema seja refém do sistema privado

Por Stênio Ribeiro

O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista Júnior, criticou na terça-feira, 12, o que chamou de “visão capitalista” da medicina e do atendimento hospitalar.

De acordo com ele, essa é a principal responsável pela “crise estrutural e ideológica” que atinge a saúde. Também explica, em parte, os problemas enfrentados pelo setor em alguns estados do Nordeste.

A crise na região, acrescentou, é resultado da falta de dinheiro para pagar procedimentos médicos realizados no setor privado contratado, que trabalha sob a lógica do lucro.

“Determinados setores de saúde contratados pelo SUS [Sistema Único de Saúde] é que determinam os valores que querem receber, à revelia da tabela do SUS. Essa história de dizer que a tabela é ruim não passa de falácia”.

Segundo ele, o que se percebe na prática são setores contratados que, sob a lógica capitalista, exigem os valores que querem. “Se continuarmos dependentes, reféns do setor privado contratado, sempre teremos dificuldades de financiamento, porque é impossível financiar saúde na lógica capitalista”.

Veja também:  Gustavo Bebianno volta a atacar Bolsonaro: "Ele próprio atira nos seus soldados"

Para Batista Júnior, a “visão mercantilista” do setor privado provoca também “a abertura indiscriminada” de cursos na área médica.

“Muitas vezes, sem critérios aconselháveis ou com grade curricular desvinculada da realidade de saúde”. Isso, segundo ele,
compromete a qualidade dos profissionais formados.

O CNS se reuniu hoje para discutir critérios para a abertura de cursos na área médica e disciplinar os já existentes A questão, informou, também está sendo discutida com o Conselho Nacional de Educação (CNE).

“Entendemos a necessidade de rever todo esse processo numa lógica que possibilite a definição de critérios que obedeçam às reais necessidades do país, com grade curricular sincronizada com a realidade do SUS e de modo a superar o viés de mercantilização do ensino universitário”.

Estavam também em pauta as ações da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) no atendimento aos postos indígenas e o aprimoramento da política nacional de vigilância sanitária. As discussões seguem até esta quinta-feira, 13.

Agência Brasil


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum