Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de dezembro de 2013, 11h18

Intérprete do cerimonial de Mandela se declara doente e pede desculpas

Após ser acusado de falsário, Thamsaqa Jantjies disse a repórter que, durante o memorial com a presença de quase 100 chefes de Estado, sofreu um “episódio esquizofrênico”

Após ser acusado de falsário, Thamsaqa Jantjies disse a repórter que, durante o memorial com a presença de quase 100 chefes de Estado, sofreu um “episódio esquizofrênico”

Por Danilo Macedo, da Agência Brasil, na  África do Sul

Antes mesmo de encerrar a cerimônia em homenagem ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela no Estádio Soccer City, em Joanesburgo, na segunda-feira (10), uma polêmica em torno do intérprete de sinais que traduziu os discursos de autoridades como o presidente norte-americano Barack Obama, o diretor-geral da ONU, Ban-Ki-moon, além de personalidades africanas, ganhou as redes sociais e acabou forçando uma investigação do governo da África do Sul para apurar o caso. Foi levantada a suspeita de que Thamsaqa Jantjies, o centro da discussão, era, na verdade, um impostor.

A deputada sul-africana Wilma Newhoudt, vice-presidente da Federação Mundial de Surdos, mostrou sua indignação ainda durante o tributo, por meio do microblog Twitter. Na rede social, ela pediu para que tirassem o intérprete ainda durante o evento e o criticou duramente. “Que vergonha esse homem que se chama intérprete no palco. O que ele está sinalizando? Ele sabe que surdos não [conseguem] vaiá-lo”, escreveu.

Ontem o governo informou que estava apurando o caso do “falso” intérprete. Hoje, porém, após ser acusado de falsário e de ter simulado gestos, sem nenhuma proximidade com a linguagem de sinais, Jantjies concedeu entrevista a um repórter local se justificando. Ele disse que, durante o memorial com a presença de quase 100 chefes de Estado, sofreu um “episódio esquizofrênico”.

Intérprete “traduz” discurso de Barack Obama para a linguagem de sinais (Reprodução)

Segundo Jantjies, de repente, começou a ter alucinações e ouvir vozes. Ele disse que toma medicação para esquizofrenia e não sabe o que levou ao surto, se a magnitude do trabalho que estava fazendo, e pediu desculpa. “Não tinha nada que eu poderia fazer. Estava sozinho em situação muito perigosa. Tentei me controlar e não mostrar ao mundo o que estava acontecendo. Eu sinto muito”.

O intérprete disse que, quando a empresa que lhe emprega disse que trabalharia no memorial, ele se sentiu honrado por fazer parte do momento histórico. Jantjies receberia o equivalente a R$ 200. Apesar das alucinações, que prejudicaram seu trabalho em um dos momentos mais importantes da despedida ao maior líder de seu país e ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1993, ele disse não podia sair do local e, então, continuou a fazer gestos sem sentido.

“Esta doença é injusta. Qualquer um que não entenda essa doença vai pensar que eu estou inventando tudo”, desabafou ele, que dividiu com o presidente sul-africano Jacob Zuma, várias vezes vaiado durante a cerimônia, o foco das críticas nos últimos dias. O jornal que fez a entrevista informou que o homem, de 34 anos, mostrou documentos que comprovam seu trabalho como intérprete, incluindo fotos ao lado de autoridades em grandes eventos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum