Outra Vibe

Fórum Educação
21 de Maio de 2020, 09h16

Iza: “Pandemia deixa claro que não estamos todos no mesmo barco”

"Eu tenho muita vontade de ter uma ONG voltada para a capacitação de negros e inclusão no mercado de trabalho", diz a cantora sobre a desigualdade que impera no Brasil

Reprodução

Iza conta que está, desde 13 de março, isolada com seu marido, o produtor musical Sérgio Santos.

“Agora estou bem melhor. Nas primeiras semanas da quarentena eu estava surtando como todo mundo. Não é um momento fácil, é uma coisa que a gente nunca viveu antes”, diz Iza em entrevista por telefone à Folha de S. Paulo. “A gente dispensou todo mundo que trabalha aqui para ficarem com as suas famílias.”

Em fevereiro, cantora gravou em São Paulo o clipe da música “Let Me Be the One”, em parceria com o rapper americano Maejor e participação de vários refugiados. O trabalho faz parte de “Be the One”, campanha promovida pela fundação Humanity Lab com a ONU (Organização das Nações Unidas).

O movimento pretende incentivar pessoas a serem agentes de liderança em suas próprias comunidades, além de oferecer treinamentos e arrecadar doações para ajudar quem precisa durante a crise de Covid-19.

A música já está disponível em plataformas de streaming e o vídeo estará disponível nesta quinta (21), às 14h. Haverá também live com representantes das duas instituições e os dois cantores para um debate e pocket-shows, transmitido no YouTube, Facebook e Twitter da cantora.

“A gente fala sobre empatia, respeito, abraçar as diferenças, sobre respeitar a individualidade de cada um, entendendo o que somos seres coletivos, a gente fala sobre consumo consciente, sobre o meio ambiente”, conta Iza.

“A gente vê muitas pessoas falando que a pandemia uniu todo o mundo. Para mim, a pandemia está deixando muito claro que não estamos todos no mesmo barco”, afirma a Iza. “Lá no início, quando eu comecei a doar cestas básicas, surgiram questões de que, por exemplo, a mãe não tem nem dinheiro para pagar o gás. Então de que vale aquela cesta?”, prosseguiu a artista.

Para Iza, em momentos como esse, a população negra mais fica vulnerável. “Porque é a parte da população que não tem acesso à educação, não tem como se informar, não tem acesso à internet, não tem como saber o que está acontecendo, não tem acesso à saúde pública”, justifica.

Iza diz que tem um sonho: “Eu tenho muita vontade de ter uma ONG voltada para a capacitação de negros e inclusão no mercado de trabalho.”


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum