Áustria vai impor lockdown para pessoas não vacinadas

O chanceler do país, Alexander Schallenberg, ao justificar a decisão, afirmou que o país “está prestes a cair em uma pandemia dos não vacinados”

O governo da Áustria decidiu radicalizar com as pessoas que não se imunizaram contra a Covid-19. Uma das medidas a ser adotada é o lockdown para aqueles que não se vacinaram.

A nova medida sanitária do governo austríaco vai funcionar da seguinte maneira: quando mais de 600 leitos de UTI (Unidades de Terapia Intensiva) estiverem ocupados por paciente acometidos pela Covid-19, as pessoas não vacinadas só poderão sair de casa em casos excepcionais, tais como fazer compras e trabalhar.

Ao justificar a medida, o chancelar da Áustria, Alexander Schallenberg, declarou que o país está “prestes a cair em uma pandemia de não vacinados”.

Segundo informações da plataforma Our World in Data, da Universidade de Oxford, cerca de 61,5% da população está completamente imunizada contra a Covid.

Além disso, o chanceler descartou novos lockdowns que envolvam a população como um todo.

“As decisões que tomamos hoje não têm efeito sobre aqueles que foram vacinados. Há muitas responsabilidades sobre os ombros. Como chanceler, não permitirei que o sistema de saúde fique sobrecarregado porque ainda temos muitos hesitantes e procrastinadores”, disse o Chanceler.

A oposição criticou as medidas anunciadas pelo governo da Áustria e afirmou se tratar da “privação da liberdade” e que visa “coagir as pessoas a se vacinarem”.

Com informações do Poder360

Publicidade

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR