Lula e Dilma pedem com Grupo de Puebla liberdade para Assange

O jornalista e fundador do WikiLeaks sofreu um derrame na prisão e, segundo a sua advogada, corre risco de vida

O Grupo de Puebla e o Conselho Latinoamericano de Justiça e Democracia (CLAJUD) emitiram uma carta onde exigem a liberdade de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, e afirmam que a decisão do Tribunal de Westminster, que possibilita a extradição de Assange para os EUA é uma “violação do direito humano à liberdade de expressão e informação”. Os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff assinam a carta.

“A decisão do Tribunal de Westminster (Reino Unido), de 10 de dezembro de 2021, que possibilita a extradição de Julian Assange para os Estados Unidos, não é apenas um grave erro judicial que põe em perigo sua vida, como afirmam seus advogados os defensores, mas sim é uma decisão que abre sérios precedentes na violação do direito humano à liberdade de expressão e informação”, diz a carta.

Além disso, os signatários da carta apontam para o parodoxo de que o ato do WikiLeaks, ao invés de ser aplaudido “desencadeou uma série de punições que incluem a acusação, difamação, desmoralização, estigmatização e criminalização de Assange, privado de liberdade em uma prisão de segurança máxima para terroristas. Este processo de humilhação e difamação transcende definitivamente um indivíduo, para se tornar um corretivo em nível internacional, mostrando passo a passo a crueldade que o sistema instituído pode atingir, para impedir alguém de ousar fazer algo semelhante. Em última instância, busca paralisar o instinto e o direito de busca pela verdade, instilando o medo”.

Por fim, o texto afirma que “a liberdade de Assange, é a liberdade de todos e de cada um. A prisão de Assange é o triunfo da opressão, do silêncio e do medo”.

O teto conta a assinatura de várias lideranças políticas do mundo, entre elas, a do ex-presidente do Lula e da ex-presidenta Dilma Rousseff.

A carta pode ser conferida na integra aqui.

Julian Assange sofre um derrame na prisão

O jornalista e fundador do WikiLeaks, Julian Assange, sofreu um derrame na prisão de Belmarsh.

Segundo a noiva de Assange, Stella Moris, o ativista está “lutando” a sua batalha para evitar a extradição para América.

Para Moris, o stress que toda essa situação tem causado, foi o que levou Julian Assange a sofrer um AVC.

Apesar da notícia ter sido divulgada neste sábado (11) pela imprensa inglesa, o AVC teria ocorrido no fim de outubro, durante uma aparição de Assange na Suprema Corte por meio de um link de vídeo de Berlmarsh.

Publicidade

Dessa maneira, Assange teria ficado com a pálpebra direita-caída, problemas de memória e sinais de danos neurológicos.

Em entrevista ao The Mail, Moris declarou que “Julian está lutando e temo que este mini derrame possa ser o precursor de um ataque mais grave. Ele aumenta os nossos temores sobre sua capacidade de sobreviver por mais tempo esta longa batalha”.

Publicidade

O fundador do WikiLeaks é procurado pela justiça dos EUA por uma suposta “conspiração para obter e divulgar informações da defesa nacional”.

O processo diz respeito aos milhares de documentos que o WikiLeaks vazou sobre as guerras do Afeganistão e do Iraque.

Assange perde apelação e pode ser extraditado para Estados Unidos


Os Estados Unidos ganharam uma apelação no tribunal superior de Londres, no Reino Unido, para que Julian Assange, fundador do WikiLeaks, seja extraditado. O jornalista está sendo acusado de crimes de conspiração e espionagem pelo governo estadunidense.

A decisão foi tomada pelo juiz Timothy Holroyde, nesta sexta-feira (10). Ainda cabe recurso. O novo pedido de extradição havia sido homologado na justiça britânica em outubro.

Pelas redes sociais, a noiva de Assange se manifestou e disse que a decisão da Corte britânica representa um “grave mau uso da justiça”.

De acordo com o WikiLeaks, o jornalista não pode comparecer ao tribunal para a defesa

A decisão contra o Assange, paradoxalmente, foi tomada no Dia dos Direitos Humanos, celebrado em 10 de dezembro. Caso vá para os Estados Unidos, ele pode ser condenado à prisão perpétua ou até à morte.

Os advogados de Assange afirmam que o processo é político, além de colocar em risco a liberdade de imprensa.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).