“O PT tem obrigação de não deixar o país continuar assim”, diz Lula

Em encontro digital com mais de 5 mil lideranças do PT, o ex-presidente também afirmou que, diante do monopólio de mídia, é preciso fortalecer a ocupação das redes

O ex-presidente Lula realizou na noite desta quinta-feira (7) um “encontro” digital com mais de 5 mil dirigentes do Partido dos Trabalho. Durante a reunião, com estrutura inédita dentro do partido, o líder petista afirmou que a militância precisa “ir às ruas conversar com o povo”.

Ao saudar os presentes, o ex-presidente Lula considerou uma “vitória” a realização da reunião, pois, trata-se da primeira experiência da legenda em formato digital onde se reuniram representantes do PT de todos os estados do Brasil no formato digital, o que demanda logística e estrutura também inéditas.

Para Lula, a reunião deve servir de exemplo, mas também como resposta ao monopólio comunicacional do Brasil. “Vamos nos conectar pelas próprias pernas”, disse o ex-presidente sobre a necessidade de o PT ocupar as redes e fazer a sua comunicação.

“O PT tem obrigação de não deixar o país continuar assim. A gente não pode baixar a cabeça”, declarou Lula à militância e ressaltando a inflação, o desemprego e a fome produzidos pelo governo Bolsonaro (sem partido).

Também participaram da reunião a presidenta nacional do PT Gleisi Hoffmann, e a secretária de Organização, Sônia Braga.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR