Mais de 1 milhão de pessoas no mundo já se curaram da covid-19, segundo Universidade Johns Hopkins

Segundo os números do observatório estadunidense, recuperados representam 31% dos casos. Brasil tem apenas 36 mil recuperados, enquanto a Espanha, que lidera a nível mundial, tem 138 mil

Nesta quinta-feira (30), o observatório sobre covid-19 da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, indicou que já há no mundo mais de 1 milhão de casos de pessoas que se recuperaram da infecção causada pelo novo coronavírus.

Atualmente, são, 1,01 milhão de pessoas que já estão curadas da doença. Tendo em vista os 3,3 milhões de contágios oficiais, os recuperados representariam um total de 31% dos casos, ou seja, quase um terço dos pacientes.

Muitos especialistas consideram que este número poderia ser ainda maior, se considerados os casos de pacientes assintomáticos, que terminam não sendo computados nem como casos oficiais nem como recuperados.

Contudo, vale lembrar que também há casos de mortes que não estão contabilizadas, devido a problemas nos levantamentos de estatísticas em alguns países – o Brasil entre eles. No entanto, se supõe que essas distorções, embora possam ser grandes, são menores que as da quantidade de pacientes assintomáticos, que alguns cientistas creem que podem ser milhões.

O observatório da Universidade Johns Hopkins trabalha com números oficiais fornecidos pelos ministérios de saúde dos países. Os líderes do ranking de recuperados, em números absolutos, são a Espanha, com 138 mil recuperados, os Estados Unidos, que tem 126 mil, e a Alemanha, com 123,5 mil. A China ocupa o quarto lugar em números absolutos, com 78,5 mil curados, porém, lidera em termos relativos, já seus números representam 93,5%.

O Brasil tem 36 mil pessoas recuperadas da covid-19, o que entre um total de 85 mil contagiados, representa 42%.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR