Entrevista exclusiva com Lula
17 de julho de 2019, 23h20

Mangueira trará retorno de Cristo contra a intolerância no Carnaval de 2020

"Vamos falar sobre a figura política de Cristo e o que ela pregava: o amor irrestrito, que nos torna livres da intolerância e do preconceito. Essa é a verdade que liberta", disse o carnavalesco Leandro Vieira sobre o enredo que a Mangueira vai defender em 2020

Marielle viva no desfile da Mangueira, campeã do Carnaval (Repdorução)

A Estação Primeira de Mangueira, campeã do Carnaval do Rio de Janeiro de 2019 com um enredo sobre “a história que a história não conta”, anunciou que levará Jesus Cristo para a Sapucaí em 2020. Com “A verdade vos fará livre”, a escola vai se pautar em um enredo crítico com uma reflexão sobre a volta de Cristo em um mundo de intolerância.

“Ele condenaria a hipocrisia dos líderes religiosos e combateria o discurso de ódio. Vamos falar sobre a figura política de Cristo e o que ela pregava: o amor irrestrito, que nos torna livres da intolerância e do preconceito. Essa é a verdade que liberta. Porque não é amor o que faz alguém quebrar um terreiro de candomblé, como fizeram na semana passada [em Duque de Caxias, região metropolitana do Rio], né?”, disse o carnavalesco Leandro Vieira à jornalista Maria Fortuna, do O Globo.

Depois do emocionante desfile campeão de 2019, “História pra ninar gente grande”, que revisitou os heróis que não estão na “história oficial” e fez uma homenagem à vereadora Marielle Franco, brutalmente assassinada em 2018, o carnavalesco promete seguir com a linha crítica, sua marca na escola.

“Tem gente que acha o carnaval um espetáculo profano, o que é um preconceito estrutural. Talvez seja porque o desfile é, em sua origem, ligado à comunidade negra e pobre do Rio. Nunca tratei meu carnaval como festa ou entretenimento. Num país onde a educação não é para todos, ele pode fazer refletir”, ponderou Leandro.

No universo proposto pelo jovem artista, Jesus, que nasceu pobre e humilde, será retratado como um morador do morro da Mangueira e lidará com questões de raça e gênero. “Quando Cristo esteve aqui, ficou do lado dos oprimidos e não fez distinção de pessoas. Será que Jesus não está no morador da favela? No menor abandonado? No gay? Na mãe de santo?”, disse.

Esse será o quinto ano de Leandro na verde-e-rosa, que já conquistou dois títulos. Além de 2019, o carnavalesco fez a Mangueira levantar o troféu em 2016, quando cantou Maria Bethania. Respeitado na escola, ele promoveu mudanças até mesmo na disputa da escolha do samba-enredo para 2020, com o objetivo de diminuir a influência econômica e garantir maior participação da comunidade.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum