Fórumcast, o podcast da Fórum
19 de fevereiro de 2019, 09h19

Matéria do Washington Post retrata piora no clima para LGBTs com Bolsonaro

Segundo a matéria, “no Brasil de Jair Bolsonaro, garotos são garotos e garotas são garotas. E isso é uma ordem”. O texto faz referência ao crescente poder do segmento evangélico no país e ao aumento da violência com motivação homofóbica

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Um dos principais jornais americanos, o Washington Post publicou matéria de fôlego retratando a ameaça a direitos e a piora do clima no país para a população LGBT com a eleição de Jair Bolsonaro e a nomeação de ministros conservadores como o da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, e da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves.

A reportagem, intitulada “Direitos LGBT sob ataque no Brasil com novo presidente de extrema-direita” é assinada por Anthony Faiola, chefe do escritório do Post para América Latina e Caribe, e Marina Lopes, correspondente do jornal no Brasil. O texto faz referência ao crescente poder do segmento evangélico no país e ao aumento da violência com motivação homofóbica.

Segundo a matéria, “no Brasil de Jair Bolsonaro, garotos são garotos e garotas são garotas. E isso é uma ordem”.

O texto lembra a declaração de Damares Alves de que meninas deveriam usar rosa e meninos, azul. Destaca, ainda, que Ricardo Vélez extinguiu a Secretaria de Diversidade e Inclusão do Ministério da Educação e é contrário a temas como identidade de gênero na sala de aula.

Cita, ainda, o discurso de posse de Jair Bolsonaro. Na ocasião, o presidente disse que seu governo iria “respeitar religiões e a nossa tradição judaico-cristã, combater a ideologia de gênero e resgatar nossos valores”.

Evangélicos

“As ações da administração aumentam a preocupação entre liberais, que estão brigando contra políticas abraçadas por um presidente que uma vez disse preferir ter um filho morto a um filho gay. No mês passado, Jean Wylly, o único parlamentar abertamente gay do Brasil, desistiu de seu mandato e saiu do país em meio a ameaças de morte e mensagens de ódio”, afirma a matéria.

Segundo o Post, “nos últimos 10 anos, a população LGBT do Brasil garantiu diversas vitórias no campo dos direitos civis nos tribunais, incluindo casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2013 e nome transgênero legalizado e mudança de gênero em 2018. Mas, enquanto a comunidade LGBT ganhava novos direitos, o Brasil se tornava mais conservador”.

Citando o Datafolha, o jornal destaca que um terço do país é evangélico, contra 15% em 2000. Destaca, ainda, que um em cada seis membros da Câmara dos Deputados professa a religião, tornando o Congresso atual o mais conservador desde a redemocratização.

A reportagem lembra que em janeiro, a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DSTs, HIV e Hepatites Virais, Adele Benzaken, foi demitida “aparentemente por autorizar uma campanha destinada a educar transgêneros brasileiros”.

“Gênero e sexualidade se tornaram o principal alvo de grupos evangélicos na última década (…) Em 2017, o governo decidiu retirar a menção a identidade de gênero dos currículos. Alguns políticos conservadores nos governos estaduais e municipais estão agora pressionando pelo banimento de qualquer discussão sobre diversidade de gênero e orientação sexual em sala de aula”.

Escalada de violência

Segundo o jornal, os grupos LGBT temem que a eleição de Bolsonaro represente a retomada de projetos de lei determinando que seus direitos sejam revogados ou restringidos. “Uma dessas propostas procura definir a família como o relacionamento entre um homem e uma mulher, o que a comunidade LGBT teme que possa ter implicações para planos de saúde, adoção e benefícios sociais”.

A matéria destaca que os crimes motivados por ódio em São Paulo, a maior cidade do Brasil, escalaram nos meses anteriores à eleição presidencial em outubro, quando Bolsonaro ganhou espaço na grande mídia.

“A cidade registrou uma média de 16 crimes de ódio por dia em agosto, setembro e outubro, mais do que o triplo da média diária para a primeira metade do ano”, afirma o Post, citando a Folha de S. Paulo.

A reportagem destaca o caso de Plínio Lima, assassinado enquanto andava pela avenida Paulista ao lado do marido, Anderson de Sousa Lima. Plínio foi esfaqueado após confrontar um homem que caminhava atrás deles e gritava ofensas homofóbicas.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum