Médico denuncia festa ao lado de hospital; veja vídeo

De acordo com o relato do trabalhador da saúde, a Polícia Militar já foi acionada várias vezes, mas nada acontece

Cansado das festas que acontecem todos os finais de semana ao lado do hospital onde trabalha, o médico Nelson Muzel gravou um vídeo para denunciar o evento que acontece atrás da Unidade de Pronto Atendimento 26 de Agosto (UPA III), que fica em Itaquera, Zona Leste da cidade de São Paulo.

No vídeo, o médico percorre os fundos da área externa do hospital e, pelo vídeo, é perceptível a altura do volume da música que vem da festa. De acordo com o relato de Muzel, em muitas ocasiões “é difícil conversar com os pacientes” por causa do barulho.

Em outro momento, Muzel convoca o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), e as polícias Civil e Militar a tomarem a alguma atitude.

Segundo o médico, a festa acontece de maneira recorrente. “Não é a primeira vez que isso acontece. Essas festas acontecem sempre, praticamente todos os finais de semana e é insustentável trabalhar desse jeito”, lamenta Muzel.

A UPA, que fica em Itaquera, atende neste momento 73 pessoas com Covid-19. “Isso é uma falta de respeito com a gente, que está aqui dando o sangue para promover pra esses pacientes qualidade de vida. Estamos trabalhando em condições insalubre. Isso é insustentável. A gente já está num nível de saturação que não dá pra aguentar”, reclama o médico.

Por fim, Nelson Muzel relata que a polícia já foi acionada várias vezes e que nada acontece.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).