Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de Maio de 2016, 13h48

O nervosismo de Pontual, da GloboNews, ao falar sobre repercussão internacional negativa do golpe

Diante da enxurrada de notícias e declarações críticas da mídia internacional com relação ao afastamento da presidenta eleita Dilma Rousseff, o correspondente da emissora nos Estados Unidos foi obrigado a falar sobre o assunto e, ao noticiar o editorial do NYT que sai em defesa de Dilma, chega até a gaguejar. Vídeo viralizou nas redes. Assista

Por Redação

Na noite da última sexta-feira (13), apenas dois dias após o afastamento provisório, pela decisão do Senado, da presidenta eleita Dilma Rousseff, boa parte dos maiores jornais do mundo repercutiam negativamente o impeachment da petista e, principalmente, a formação do governo do vice-presidente Michel Temer (PMDB).

Ignorando, até então, o golpismo e os interesses que permeiam o processo de afastamento de Dilma, a GloboNews foi obrigada, até pelo alcance das informações nas redes, a noticiar a repercussão internacional negativa que estava posta com a formação de um governo composto apenas por homens, brancos e, principalmente, apoiado e formado por figuras com forte envolvimento com corrupção.

A missão ficou à cargo de Jorge Pontual, correspondente da emissora em Nova Iorque (EUA). Ao tratar do que estavam dizendo os jornais europeus sobre a formação de um ministério totalmente branco, masculino e sem representantes de minorias, o jornalista mostra claro incomodo e nervosismo. Quando noticia, então, o editorial do The New York Times que sai em defesa da presidenta eleita Dilma e diz que o problema da corrupção pode piorar com seu afastamento, pontual chega a gaguejar.

Nas redes sociais, o vídeo viralizou e foi ironizado por internautas.

“Gaguejou, gaguejou, mas teve que ler tudinho o que está no noticiário internacional! Bem feito!”, disse uma usuária do Facebook.

Assista.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum