Polícia Federal prende três hackers suspeitos de invadirem site do STF

Os suspeitos teriam realizado um ataque hacker que derrubou o acesso ao site da corte, mas não conseguiu "hackear" dados sigilosos que estão no sistema do Supremo

A Polícia Federal (PF) realiza na manhã desta terça-feira (8) a Operação LEET contra 3 suspeitos de terem hackeado a rede do Supremo Tribunal Federal (STF). São três mandados de prisão temporária, dois já foram cumpridos e um segue em execução.

As ordens da prisão foram expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes. Estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de Itumbiara (GO), Bragança Paulista (SP), Belém do São Francisco (PE), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Olinda (PE).

A Polícia Federal revelou que a equipe de tecnologia do STF identificou, no começo de maio, indícios de um ataque contra o sistema do tribunal, a partir daí foi iniciada a investigação que deflagrou a operação LEET.

Os suspeitos teriam realizado um ataque hacker que derrubou o acesso ao site da corte, mas não conseguiu “hackear” dados sigilosos que estão no sistema do STF. Eles responderão pelos crimes de invasão de dispositivo informático de uso alheio e associação criminosa.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR