Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de fevereiro de 2012, 09h48

Sétimo encontro internacional da Marcha Mundial das Mulheres reune delegadas de todo o mundo.

Em Vigo, na Galiza, Espanha,  aconteceu o sétimo encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres, que juntou 150 delegadas de todo o mundo.
Na manifestação, que encerrou o encontro, participaram dez mil mulheres e a principal exigência foi o fim da violência de género. Na manifestação, e também no encontro, participou uma delegação portuguesa.

A manifestação teve como lema "Mudar a vida das mulheres para mudar o mundo e mudar o mundo para mudar a vida das mulheres" e a principal reivindicação foi o fim da violência de gênero.

Na manifestação ainda foi salientado o apelo à paz e à desmilitarização, a exigência da soberania alimentar para os povos de todo o mundo, a defesa do aborto legal, livre e gratuito, a luta contra a pobreza e a igualdade de oportunidades e de salários no mundo laboral.

Da delegação portuguesa presente em Vigo, a agência Lusa entrevistou Almerinda Bento da UMAR (União das Mulheres – Alternativa e Resposta) e Sandra Frade da AJPaz (Associação Justiça e Paz).

Almerinda Bento disse que a violência doméstica se assume "cada vez mais como um dos problemas mais fortes" das mulheres em Portugal, salientando que entre Janeiro e Agosto de 2008 morreram 32 mulheres, vítimas de agressões dos seus companheiros.

Almerinda Bento considerou ainda que o baixo nível de escolaridade e o consequente baixo nível salarial são outros dos maiores problemas das mulheres portuguesas, sublinhando que "se continua a registar uma grande discriminação salarial para trabalho exactamente igual. Por norma, os homens ganham mais do que as mulheres".

Sandra Frade, da Associação para a Justiça e Paz, concordando, salientou "o longo caminho que falta percorrer" para que em Portugal as mulheres sejam vistas e tratadas "de igual para igual" em relação aos homens.

"Quando há desemprego, quem são as primeiras a sofrer as consequências? As mulheres, claro. Até porque são elas quem, por norma, tem os vínculos laborais mais precários", criticou Sandra Frade.

A Marcha Mundial das Mulheres foi fundada em 1998 e reúne actualmente seis mil grupos femininos oriundos de 163 países dos cinco continentes, realizando de dois em dois anos um encontro anual.

Este ano, o encontro decorreu em Vigo, juntando cerca de 150 delegadas de mais de 40 países.

(Com informações da Esquerda.net)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags