Fórumcast, o podcast da Fórum
21 de dezembro de 2016, 18h52

Stédile pede povo na rua para viabilizar “Volta Lula”

“O Lula é o porta-voz do povo para construir um novo projeto para o país”, disse o dirigente nacional do MST.

Por Brasil 247

Cumprindo uma série de agendas na Bahia, o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, demonstrou sua insatisfação com os rumos que o país tomou com a intervenção parlamentar que retirou a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) do cargo maior da República.

Stédile ainda defendeu o retorno de Lula em 2018 e fez questão de deixar evidenciado que o MST defende uma Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o sistema político. “Queremos uma Assembleia Constituinte e só conseguiremos isso, com as massas nas ruas. Com o governo golpista, a crise vai se acentuar, pois faz parte do golpe inviabilizar a candidatura do Lula para 2018. O Lula é o porta-voz do povo para construir um novo projeto para o país”.

A opção para Stédile, pode iniciar o processo de reformulação do país e resolver de uma vez a crise político-social que se instalou, além de defender a participação do povo, cobrando os direitos e políticas públicas nas ruas, se manifestando. “A crise econômica é base das diversas crises sociais que estão implementadas em nosso país hoje, causando dois efeitos. O primeiro deles é o conflito entre as classes, gerando um desgaste nas políticas de conciliação. Segundo, o capital internacional dentro da economia nacional”. Ainda de acordo com Stédile, “muitos efeitos estão nítidos com o processo de golpe, dentre eles, jogar nas costas da classe trabalhadora o preço da crise, implementando um modelo neoliberal para salvar as empresas”.

O dirigente Sem Terra cumpriu agenda na Sepromi e na Governadoria, sendo recebido pela secretária Fabya Reis e pelo governador Rui Costa. Nos encontros, Stédile reforçou esse cenário em que as empresas precisam aumentar a taxa de ganância, com o aumento do processo de exploração dos trabalhadores. “Além disso, se apropriar dos recursos naturais e dos recursos públicos, fortalecendo o alinhamento da burguesia com as empresas americanas. O golpe tem como ‘modus operandi’ o próprio Estado. Para isso, foi necessário ter hegemonia no parlamento, no judiciário e na mídia. Fortalecendo, por exemplo, o processo de criminalização e desmoralização do PT com a Lava Jato”, pontua.

Stédile acredita que para reverter essa situação é preciso ter um governo que construa um programa de emergência da industrialização, com foco no mercado interno, e que além disso, ajude no processo de fortalecimento da produção de alimentos saudáveis, já que o Brasil tem terra e gente para garantir isso. “Nossa missão é debater com o povo. Levar as pessoas para as ruas. Se transformando numa força social política, tirando o povo brasileiro da crise”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum