Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de fevereiro de 2012, 09h48

Tecnologia social une cidade em defesa do meio ambiente

O que seria uma aula prática de laboratório, transformou-se num projeto de preservação ambiental. A idéia surgiu, em 1999, após a visita da professora de biologia Ivanete Oliveira com uma turma do Colégio Estadual Raimundo Santana Amaral ao córrego que corta a cidade de Rubiataba (GO), distante 220km de Goiânia. Durante o percurso, o grupo encontrou as águas, antes límpidas, degradadas e poluídas.

Resolveram, então, organizar mutirões de limpeza e iniciar um trabalho de conscientização da população, envolvendo a comunidade e o poder público. A idéia era chamar a atenção para a importância da conservação dos recursos naturais. Dessa união, nasceu o Projeto Córrego da Serra. A iniciativa foi vencedora, na categoria Centro-Oeste, do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2007.

O objetivo do projeto Corrégo da Serra é promover a inclusão social de adolescentes, por meio de oficinas educativas, e criar uma nova consciência ambiental, além de incentivar o empreendedorismo e gerar renda. O projeto é mantido por sócios, que contribuem com mensalidades. As taxas variam de R$ 15 a R$ 80, de acordo com as condições financeiras de cada mantenedor. A receita arrecadada sustenta as atividades de educação ambiental.

O prêmio de R$ 50 mil, recebido da Fundação Banco do Brasil, foi destinado à ampliação da sede do projeto e incluiu a construção de uma cozinha, que vai fornecer alimentação para a “Patrulha do Meio Ambiente”, apelido dado aos 700 estudantes e aos colaboradores que trabalham nas atividades de conservação e monitoramento do Córrego da Serra.

Reaplicação

“Hoje, a equipe continua fazendo a limpeza e a recuperação das margens de todos os córregos do município. “Trabalhamos na conscientização e na fiscalização. Temos uma escola ecológica, uma oficina de meio-ambiente e fundamos a organização não governamental (ONG) Córrego da Serra”, conta a professora Ivanete.

As quatro oficinas do projeto envolvem 124 pessoas, entre adolescentes e idosos. Os temas trabalhados incluem reciclagem de papel, arte na lata, tecelagem artesanal e turismo ecológico. Além dessas, existem também as de confecção de pufes com garrafas pet, pintura em cabaça e confecção de embalagens com caixas de leite longa vida.

“O prêmio representou um avanço para a comunidade de Rubiataba e gerou a idéia de fundar a microempresa ‘Córrego da Serra‘”, revela a professora. O esforço resultou, também, na criação da Secretaria Municipal do Meio-ambiente e no Comitê de Preservação da Bacia do Rio Novo.

Outro resultado do projeto foi a solução para as mossorocas e o lixão. Pneus velhos, entulho, areia e grama foram utilizados para corrigir as erosões e o lixo foi transferido para um aterro sanitário.

Participação

O trabalho não parou. Uma pesquisa sobre os afluentes e a história do rio e a reconstrução do dia-a-dia dos moradores das redondezas ajudou a reconstituir a mata ciliar, tirando da memória coletiva o passado do rio. Outro desdobramento do projeto foi a criação de um banco de sementes, no viveiro da prefeitura, para a produção de mudas. A aridez, então, virou floresta.

O ex-prefeito Teodoro Ribeiro, atual presidente da ONG, diz ter orgulho em participar das ações: “A proposta ajuda a educar a juventude”, declara. A declaração é confirmada pelo entusiasmo da estudante Thais Galvão de Ávila, 17 anos. Monitora do projeto, ela diz que sua vida se transformou. “O trabalho que fazemos pode mudar o pensamento e a visão de mundo com relação à natureza”, afirma.

O Prêmio Fundação Banco do Brasil é realizado em parceria com a Petrobras, com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e da KPMG Auditores Independentes.
Concedida a cada dois anos, identifica e difunde tecnologias sociais, conceito que compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade, que representem soluções efetivas de transformação social.

(Matéria originalmente publicana no site da Fundação Banco do Brasil)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags