Entrevista exclusiva com Lula
10 de novembro de 2019, 17h59

Militares mandam Evo Morales renunciar à presidência e Bolívia caminha para ditadura

Depois de Evo Morales propor novas eleições para tentar conter um golpe de Estado, o presidente vê as Forças Armadas se voltarem contra ele na Bolívia

As Forças Armadas pediram que o presidente da Bolívia, Evo Morales, renuncie ao cargo na tarde deste domingo (10). Morales foi reeleito ao posto no pleito de 20 de novembro e, desde então, tem visto a oposição mobilizar um golpe contra seu governo. O golpismo tem incendiado casas e sequestrado pessoas ligadas ao MAS, partido de Evo.

Veja: Golpe derruba Evo Morales

Veja: “Homem de confiança de Jair Bolsonaro” é citado em áudio de opositores que tentam golpe contra Evo na Bolívia

“Ante a escalada de conflito que afeta o país, visando a vida e a segurança da população, a garantia da Constituição, […] sugerimos ao presidente de Estado que renuncie seu mandato presidencial permitindo a pacificação e a manutenção da estabilidade pelo bem da nossa Bolívia”, declarou Williams Kaliman, chefe das Forças Armadas.

Com o objetivo de tentar pacificar o país, em conflito desde que a oposição pregou o não-reconhecimento do resultado das urnas que garantiu vitória em primeiro turno para o ex-dirigente sindical cocaleiro, Morales propôs neste domingo a realização de novas eleições gerais. A Organização dos Estados Americanos fez uma auditoria nas urnas e não declarou se houve fraude, mas também recomentou um novo pleito devido ao caos instalado pelos opositores.

A violência promovida pelos golpistas, que incendiaram casas e sequestraram parentes de governadores, deputados e lideranças do MAS, gerou uma onda de renúncias. Cinco ministros, o vice-chanceler, o presidente da Câmara dos Deputados estão entre os que deixaram seus cargos. A irmã de Evo também foi uma das vítimas, tendo sua residência incendiada.

Logo após o anúncio das Forças Armadas, Evo deixou La Paz e se encaminhou para a Chimore

Bolsonaro e o golpe

Áudios revelados neste domingo mostram que há um envolvimento do governo de Jair Bolsonaro na tentativa de golpe de Estado no país vizinho. Em uma das gravações publicadas pelo El Periódico, um interlocutor revela o apoio “das igrejas evangélicas e do governo brasileiro”, e fala de um suposto “homem de confiança de Jair Bolsonaro, que assessora um candidato presidencial”.

O áudio não especifica qual, mas bate com as informações de que o Itamaraty está desde maio em conversas frequentes com o líder opositor Luis Fernando Camacho, do Comitê Cívico, o mesmo partido do candidato Carlos Mesa, segundo colocado nas eleições de outubro.

 

Mais informações em instantes

Golpe na Bolívia


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum