terça-feira, 29 set 2020
Publicidade

Uruguaios dizem não à redução da maioridade penal

Em referendo, 53% da população uruguaia rejeitaram a proposta de reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos

Por Redação

No último domingo (26), não apenas o Brasil foi às urnas, mas também o Uruguai, que, além de votar para presidente, também votou contra ou a favor da redução da maioridade penal. O projeto que foi a consulta popular visava diminuir de 18 para 16 anos.

Todas as pesquisas indicavam a vitória dos favoráveis à redução, mas não foi o que houve. Do total, 53% dos uruguaios rejeitaram a proposta. No Brasil, projeto semelhante já foi apresentado pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que foi rejeitado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) por ser considerado inconstitucional.

Sucessor de Pepe Mujica

Assim como o Brasil, o Uruguai também votou para presidente neste domingo (26). O pleito será decidido no segundo turno entre Tabaré Vázquez (Frente Ampla), que já foi presidente e terminou o primeiro turno com 47% dos votos. Em segundo lugar, ficou o candidato do conservador Partido Nacional, Lacalle Pou, com 31,5%.

Esta eleição marca a sucessão de Pepe Mujica, da Frente Ampla. A gestão de Mujica ficou internacionalmente conhecida por ter descriminalizado o aborto, regulamentado o uso e a comercialização da maconha e também pela regulamentação do casamento igualitário.

Caso Tabaré Vázques vença a eleição, a Frente Ampla seguirá para o seu terceiro mandato consecutivo. Pepe Mujica foi eleito senador.

Foto: Justificando

 

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.