Fórumcast, o podcast da Fórum
25 de março de 2017, 18h27

YouTube censura conteúdo LGBT, deixa de vetar alguns vídeos extremistas e perde gigantes patrocínios

Canais brasileiros famosos como “Para Tudo”, (da drag queen Lorelay Fox), “Canal das Bee” e “Põe na Roda” estão entre os que tiveram parte de seu conteúdo bloqueado essa semana, assim como videoclipes de artistas pop como Lady Gaga, Kylie Minogue e até mesmo Anitta. Vídeos extremistas e homofóbicos, no entanto, permanecem no ar

Por Marcela Marcos, colaboradora da Rede Fórum 

Mesmo diante de muitas reclamações nas redes sociais, o YouTube continua censurando vídeos com temática LGBT a partir do filtro “Modo Restrito”. Canais brasileiros famosos como “Para Tudo”, (da drag queen Lorelay Fox), “Canal das Bee” e “Põe na Roda” estão entre os que tiveram parte de seu conteúdo bloqueado essa semana, assim como videoclipes de artistas pop como Lady Gaga, Kylie Minogue e até mesmo Anitta, que apoiam a causa.

No Twitter, usuários utilizam a hashtag #YouTubeIsOverParty para criticar a atitude da marca que pertence à Google. Diante dos protestos online, o Youtube divulgou um comunicado oficial, no último domingo, afirmando que a companhia tem “orgulho de representar as vozes LGBTQ” e explicando que “a intenção do Modo Restrito é filtrar o conteúdo maduro para uma minúscula parcela de usuários que desejam uma experiência mais limitada”. No texto, ainda há um pedido de desculpas: “Lamentamos qualquer confusão que isso causou e estamos atentos a suas preocupações”.

O "Canal das Bee", de temática LGBT, foi um dos afetados pela política.

O “Canal das Bee”, de temática LGBT, foi um dos afetados pela política.

No entanto, a censura permanece. Fizemos um teste digitando “Canal das Bee” na busca do YouTube, com o modo restrito ativado, e só tivemos acesso a vídeos mais antigos, de dois meses atrás, sendo que a última atualização do canal foi há quatro dias. Em contrapartida, a Google enfrenta uma crise motivada por conteúdos do YouTube que deveriam, (esses, sim) ser vetados, e não têm sido. Cerca de 250 empresas, além do governo britânico, cancelaram anúncios na plataforma depois que algumas propagandas apareceram junto a vídeos que continham mensagens extremistas, destilando homofobia e antissemitismo. A lista inclui BBC, L’Oreal, Volkswagen, HSBC e McDonald’s.

Durante um evento em Londres, o presidente do Google para a Europa, Oriente Médio e África, Matt Brittin, pediu desculpas aos “parceiros e anunciantes afetados”, mas os patrocinadores mantêm a decisão. Pelo menos por enquanto, tanto para as marcas que não querem ser atreladas a incitação ao ódio, quanto para o público LGBT que luta exatamente para combatê-lo e que já é tão censurado na rede e fora dela, são apenas desculpas. Para desativar o Modo Restrito, basta alterar a opção na parte inferior do YouTube.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum