Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de julho de 2018, 08h50

A pedido de Raquel Dodge, Fachin nega pedido de busca na casa de Marun

As buscas tinham o objetivo de avançar na apuração da relação entre Marun e a organização criminosa que cobrava propina para emitir registros sindicais no Ministério do Trabalho

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, negou pedido da Polícia Federal para realizar buscas na casa e apreensão nos endereços do secretário de Governo de Michel Temer, Carlos Marun.

Ao negar o pedido, Fachin acolheu a recomendação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Segundo ela, ainda não há elementos que comprovem a participação de Marun nos crimes investigados.

O pedido da PF foi feito ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Registro Espúrio no Supremo Tribunal Federal.

De acordo com os investigadores, as buscas tinham o objetivo de avançar na apuração da relação entre Marun e a organização criminosa que cobrava propina para emitir registros sindicais no Ministério do Trabalho. O caso foi revelado pelo jornal Folha de S. Paulo.

Conversas interceptadas

Ao solicitar busca contra Marun e sua chefe de gabinete, Vivianne Melo, a PF citou conversas interceptadas com alvos da operação que apontam para a participação do ministro. Segundo os investigadores, os diálogos mostram que ele valia de sua posição e cargo político para solicitar registros sindicais a entidades de seu interesse.

De acordo com os relatos da mídia, a PF afirma que Marun estaria atuando em favor do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias e Cooperativas de Carnes e Derivados, Indústrias da Alimentação de São Gabriel do Oeste (Sintrael), que é do Mato Grosso do sul, base eleitoral do ministro.

Segundo a Folha de S. Paulo, os investigadores registraram que, em 23 de maio, Júlio de Souza Bernardo, chefe de gabinete do Ministério do Trabalho preso nesta quinta-feira 5, enviou uma mensagem a Renato Araújo Júnior, ex-coordenador de Registro Sindical do Ministério do Trabalho e também detido, na qual pediu que um despacho no Diário Oficial da União fosse revertido para atender a um pedido de Marun.

O despacho determinava a retirada do termo “cooperativas” do Sintrael e excluía a cidade de São Gabriel da base territorial do Sindicato Estadual dos Trabalhadores Celetistas nas Cooperativas no Mato Grosso do Sul (Sintracoop-MS).

Com informações da Carta Capital


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum