Advogado acusado de influência junto a Marcelo Bretas na Lava Jato é alvo de operação da PF

Advogado Nythalmar Dias Ferreira Filho, o "mais caro da Lava Jato", é investigado por oferecer aos clientes - como Eduardo Cunha e Fernando Cavendish - influência sobre Bretas, responsável pela força-tarefa no Rio de Janeiro

A Polícia Federal realiza nesta sexta-feira (23) uma operação contra o advogado Nythalmar Dias Ferreira Filho, o “mais caro da Lava Jato”, investigado por oferecer a clientes famosos influência junto ao juiz Marcelo Bretas, responsável pela força-tarefa no Rio de Janeiro.

Em 2019, Nythalmar foi personagem de uma reportagem de Chico Otávio na revista Época por ser considerado “o criminalista mais caro da Lava Jato”, contratado por investigados famosos como Eduardo Cunha, Fernando Cavendish, ex-dono da Delta Construções, e José Mariano Beltrame, ex-secretário de Segurança do RJ. O jurista chegou a ganhar um apartamento na zona sul do Rio de presente de Cavendish.

A ação de busca e apreensão aconteceu em cinco endereços ligados ao advogado e é comandado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

Segundo a reportagem de Época, o advogado, de 30 anos, chegou ao Rio de Janeiro aos 16 anos com planos de estudar Direito e um emprego no Bob’s com salário de R$ 300 por mês.

No texto, Ferreira atribui seu sucesso na Lava Jato por entender que a força-tarefa era um “caminho sem volta”, aposentando “o formalismo jurídico que recorria a manobras processuais para evitar o julgamento do mérito”. Sua principal estratégia é oferecer a delação premiada em troca da liberdade dos clientes.

“O acordo é um meio de defesa mundial. É mais econômico e tem resultado imediato. O cliente ganha uma segunda chance na vida”, disse.

Com informações do jornal O Globo

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR