Ana Estela Haddad: “#elenão porque a gente quer mais amor, e não ódio”. Veja o vídeo

Professora, odontopediatra e gestora pública, esposa de Fernando Haddad (PT), divulgou nas redes sociais vídeo em que explica os motivos de apoiar o movimento #elenão.

A professora, odontopediatra e gestora pública, Ana Estela, esposa do presidenciável Fernando Haddad (PT), divulgou nas redes sociais nesta quinta-feira (27) um vídeo em que ela explica os motivos de apoiar o movimento #elenão, liderado pelas mulheres contra a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). “#Elenão porque a gente quer mais democracia, e não menos. #Elenão porque a gente quer mais direitos, e não menos. #Elenão porque a gente quer avanços na nossa sociedade, e não retrocessos. #Elenão porque a gente quer mais amor, e não ódio”, afirma.

Ana Estela diz que foi convidada a participar do desafio #elenão por Fátima Mendonça, esposa do ex-governador e candidato ao Senado pelo PT na Bahia, Jaques Wagner. Neste sábado (29), a hashtag deixa as redes e ganha as ruas em diversos atos das mulheres contra Bolsonaro em cidades do Brasil e do mundo.

Em entrevista exclusiva à Fórum, Ana Estela falou sobre feminismo e disse acreditar que a geração atual está “mais empoderada e concede menos”. “Todas nós mulheres no momento em que a gente nasce mulher, e passa desde criança por todo processo de socialização, tem uma luta colocada, que é inegável. Todas nós sentimos e vivenciamos. Quando olho a minha filha e minha geração atual, vejo uma mulher mais empoderada, que concede menos.”

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

#Elenão

Uma publicação compartilhada por Ana Estela Haddad (@anaestelahaddad) em

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR