Fórumcast, o podcast da Fórum
19 de março de 2019, 11h21

Aos 55 anos, procurador da Lava Jato se aposenta: Condução coercitiva visava desconstruir imagem de Lula

Carlos Fernando dos Santos Lima ainda afirmou que foi dos procuradores da Lava Jato a ideia de divulgar os áudios da conversa de Lula com a ex-presidenta Dilma Rousseff

Carlos Fernando dos Santos Lima falou sobre condução coercitiva de Lula (Reprodução)

Aos 55 anos, o Carlos Fernando dos Santos Lima ganhou nesta terça-feira (19) a aposentadoria após 24 anos de trabalho no Ministério Público Federal. Ao desocupar o gabinete no oitavo andar da Procuradoria Regional da República da 3.ª Região (PPR-3), em São Paulo, deu a última entrevista ainda no cargo aos jornalistas Ricardo Brandt e Fausto Macedo, do jornal O Estado de S.Paulo, e confessou que a condução coercitiva contra o ex-presidente Lula visava “desconstruir a imagem” do petista.

“Era necessário desconstruir a imagem que existiam pessoas fora do alcance da Justiça. Aquele momento a condução teve a virtude de mostrar que a Justiça alcançava qualquer um. Não é bem assim, porque na verdade há uma série de intocáveis na República, mas de qualquer forma depois que o Lula foi preso (em abril de 2018, após condenação em segundo grau), ninguém está mais garantido”, disse ressaltando que dependendo do lugar onde fosse realizada a ação, “politicamente ia ser um problema”.

Santos Lima ainda afirmou que foi dos procuradores da Lava Jato a ideia de divulgar os áudios da conversa de Lula com a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), que tinha intenção de colocar o ex-presidente na Casa Civil. “Fomos nós que pedimos, não foi o (ex-juiz Sérgio) Moro que tirou da cartola. Não vejo problemas nas gravações, era evidente que estava sendo articulado ali”, disse, ao ser indgada sobre o que achava da “divulgação dos áudios”.

Sobre os arrependimentos nos cinco anos em que esteve na Lava Jato, o procurador deveria ter dado mais “apoio” ao colega, Deltan Dallagnol, na divulgação do Power Point de Lula, que virou motivo de chacota em todo o mundo.

“Talvez dar mais apoio para o Deltan (Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato) no dia da apresentação do power point (sobre a primeira denúncia criminal feita contra Lula), mas lidamos com o processo Lula de maneira muito cuidadosa… É o tipo de investigação que tem dificuldade natural, pelo tamanho que era a imagem do presidente Lula”.

O procurador diz que, fora do MPF, vai atuar agora no ramo de “compliance”, neologismo do mundo corporativo sobre práticas éticas desenvolvidas nas empresas.

” Com minha visão de procurador eu posso ajudar as empresas a procurar documentos para iniciar negociações com o Ministério Público. Até posso trabalhar com negociações com o Ministério Público, mas quero construir uma atividade que não seja concorrente com o Ministério Público, mas sim coadune com os interesses do Ministério Público. Vou ajudar empresas a resolver seus problemas, mas não a confrontarem. Porque hoje em dia, quem trabalha com compliance, a última coisa que se deve fazer é confrontar. A Odebrecht é um exemplo de confrontação que quase levou à uma situação de não retorno”, disse.

Leia a entrevista na íntegra.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum