Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de janeiro de 2019, 18h20

Após apoio do PCdoB a Maia, Manuela classifica como “lamentável” divisão da esquerda

Em resposta às críticas sobre a indicação de apoio do PCdoB à eleição de Rodrigo Maia como presidente da Câmara, Manuela D'Ávila disse que é a favor de uma posição conjunta entre os cinco partidos do campo progressista; "Divisões entre partidos de oposição a Bolsonaro de nada servem ao Brasil"

Foto: Divulgação

Candidata a vice na chapa de Fernando Haddad (PT) à presidência, a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB) classificou como “lamentável” a divisão de posições entre os partidos do campo progressista na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados.

A comunista ainda não tinha se pronunciado publicamente sobre o assunto mas acabou, nesta quarta-feira (16), sendo bombardeada de críticas de internautas sobre a decisão de seu partido, divulgada após reunião na terça-feira (15), de orientar os parlamentares a apoiarem Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Casa. A declaração veio como resposta aos internautas em seu Instagram. Manuela procurou se “afastar” da decisão do PCdoB que indicou apoio ao parlamentar do chamado “centrão” – que conta, inclusive, com o apoio do PSL de Jair Bolsonaro. “Não participei dessa reunião da bancada do PCdoB porque não sou deputada federal e nossa reunião de direção partidária que decidiria sobre o tema será apenas dia 30”, esclareceu.

Ela pontuou, contudo, que é a favor da unidade entre os partidos de centro-esquerda, o que sugere ou que o PCdoB não deveria ainda ter declarado apoio a Maia e chegasse a um nome em comum com PDT, PSB, PSOL e PT ou que os outros partidos deveriam seguir a posição de sua legenda.

“Para mim, demarcações e divisões entre Partidos de oposição a Bolsonaro de nada servem ao Brasil e às duras batalhas que teremos pela frente”, escreveu.

Pragmática, Manuela foi ainda na mesma linha do deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) e da presidenta do partido, Luciana Santos, e disse que a escolha do presidente da Câmara não é “terceiro turno” da eleição presidencial.

Confira a íntegra da resposta da ex-parlamentar sobre o assunto.

“Não participei dessa reunião da bancada do PCdoB porque não sou deputada federal e nossa reunião de direção partidária que decidiria sobre o tema será apenas dia 30. Como todos sabem, defendo desde antes da eleição a unidade de todo nosso campo político, razão que resultou, inclusive, na retirada de minha pré-candidatura à presidência da república. Para mim, demarcações e divisões entre Partidos de oposição a Bolsonaro de nada servem ao Brasil e às duras batalhas que teremos pela frente, não estamos numa batalha contra ou a favor de nenhum partido de esquerda mas em defesa da permanência da democracia. Para mim, o passo inicial seria termos uma posição conjunta, dos cinco partidos de nosso campo, para que juntos buscássemos construir uma candidatura comprometida com a democracia, mesmo que essa não fosse de nossos partidos, já que tal eleição não é terceiro turno presidencial. Não foi o que aconteceu: os partidos seguiram diversos caminhos. Lamentavelmente”. 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum