Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de julho de 2019, 22h13

Após ataque de Bolsonaro, Jornal Nacional divulga nota de apoio a Miriam Leitão

Emissora, no entanto, fez questão de criticar o PT, que não teve nenhuma ligação com a fake news disparada pelo presidente, para não ficar apenas na crítica a Bolsonaro

Foto: Reprodução

Depois do ataque de Jair Bolsonaro a Miriam leitão, jornalista do grupo Globo, nesta sexta-feira (19), no qual ele afirmou que a jornalista mente ao dizer que foi torturada durante a ditadura militar, o “Jornal Nacional”, principal jornalístico da Globo, saiu em defesa da profissional.

Ao final da edição desta sexta-feira (19), a apresentadora Renata Vasconcellos leu uma nota oficial da emissora, em repúdio às afirmações de Bolsonaro.

No entanto, para não perder o costume, a Globo aproveitou a resposta a Bolsonaro para criticar o PT, que não teve envolvimento algum na fake news divulgada pelo presidente.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Veja abaixo a íntegra da nota de repúdio da Globo:

“O presidente Jair Bolsonaro recebeu hoje um grupo de jornalistas estrangeiros para um café da manhã. Os jornalistas cobraram do presidente um comentário sobre o ato de intolerância de que foi vítima a jornalista Miriam Leitão, no fim de semana.

Miriam e o marido, Sérgio Abranches, participariam de uma feira literária em Jaraguá do Sul, Santa Catarina. Em redes sociais foi organizado um movimento de ataques e insultos à jornalista, cuja postura de absoluta independência foi tratada como um posicionamento político de esquerda e de oposição ao governo Bolsonaro.

Em resposta aos correspondentes internacionais, o presidente Jair Bolsonaro disse que sempre foi a favor da liberdade de imprensa e que críticas devem ser aceitas numa democracia.

Mas depois afirmou que Miriam Leitão foi presa quando estava indo para a Guerrilha do Araguaia para tentar impor uma ditadura no Brasil. E repetiu duas vezes que Miriam mentiu sobre ter sido torturada e vítima de abuso em instalações militares durante a ditadura militar que governava o país então.

Essas afirmações do presidente causam profunda indignação e merecem absoluto repúdio. Em defesa da verdade histórica e da honra da jornalista Miriam Leitão, é preciso dizer com todas as letras que não é a jornalista quem mente.

Miriam Leitão nunca participou ou quis participar da luta armada. À época militante do PCdoB, Miriam atuou em atividades de propaganda. Ela foi presa e torturada grávida aos 19 anos, quando estava detida no 38º Batalhão de Infantaria, em Vitória.

No auge da ditadura de 64, em 1973, Miriam denunciou a tortura perante a primeira auditoria da Aeronáutica no Rio, enfrentando todos os riscos que isso representava na época. Narrou seu sofrimento aos militares e ao juiz auditor. E esse relato consta dos autos para quem quiser pesquisar.

A jornalista foi julgada e absolvida de todas as acusações formuladas contra ela pela ditadura. A absolvição se deu em todas as instâncias.

É importante ressaltar que Miriam Leitão, ao longo dos governos do Partido dos Trabalhadores foi também alvo constante de ataques. Não questionaram como agora o sofrimento porque passou na ditadura, mas a ofenderam em sua honra pessoal e profissional.

Em discursos do ex-presidente Lula em palanques e até mesmo a bordo de aviões de carreira, quando Miriam Leitão ouviu insultos e ofensas por parte de militantes petistas, que então a chamavam e neoliberal e direitista.

Esses insultos, no passado ou agora em sinais trocados, apenas demonstram a maior das virtudes de Miriam como profissional: a independência em relação a governos, sejam de esquerda ou de direita ou de qualquer tipo.

A Globo aplaude essa independência, pedra de toque do jornalismo profissional e se solidariza com Miriam Leitão”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum