Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
21 de março de 2019, 16h43

Após prisão de Temer, Kakay critica “banalização da prisão preventiva” da Lava Jato

Em entrevista à Fórum, o advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, classificou a prisão de Temer como "estranha", denunciou o suposto interesse de empresas estrangeiras na Lava Jato e defendeu uma revisão das regras para delação premiada

Foto: Carlos Humberto/STF

Em entrevista concedida à Fórum nesta quinta-feira (21), o advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, classificou como “estranha” a prisão preventiva de Michel Temer (MDB), decretada pela Justiça Federal do Rio de Janeiro, a pedido da força-tarefa do Ministério Público na Operação Lava Jato.

“Os fatos são de 2017, são fatos anteriores, que vêm de uma delação”, pontuou, ao frisar que o instrumento costuma ser aplicado quando se verifica a contemporaneidade dos crimes praticados.

Kakay observou que essa análise se restringe ao campo jurídico. Se considerados outros fatores, em sua avaliação, o fato se torna ainda mais grave.

“Não é nem por ser um ex-presidente, embora haja extrema exposição negativa do País”, afirmou.

O advogado classificou como desastrosa a passagem do agora ministro da Justiça, Sérgio Moro, pela 13ª Vara Federal do Paraná, e atribui a ela o que chama de banalização da prisão preventiva. “O juiz do Rio [de Janeiro, Marcelo Bretas] é adepto a essa postura. Parece-me completamente absurdo”.

Interesses estrangeiros

Kakay acredita que, até agora, a Lava Jato foi importante para escancarar a “capilarização” da corrupção no País, mas elencou uma série de consequências negativas – incluindo a destruição das empresas de infraestrutura brasileiras.

“Surgem cada vez mais a ideia e as conversas de que isso favoreceria empresas internacionais”, observou.

Delação premiada: “Terá que ser revista”

Ainda no aspecto jurídico, o criminalista elenca outros prejuízos decorrentes de abusos da Operação Lava Jato: afastamento de princípios constitucionais, como a presunção da inocência; espetacularização do processo penal, com exposição exagerada de investigados; e a destruição do instituto da delação premiada.

“Não é possível que se tenha ação penal com 50 réus e só um não seja delator. Terá que ser revista”, defendeu Kakay.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum