O que o brasileiro pensa?
13 de junho de 2020, 10h45

Artífice do golpe contra Dilma, PSDB decide ser contra impeachment de Bolsonaro

Bruno Araújo, presidente nacional do partido, foi quem anunciou a decisão. Em 2016, seu voto foi o decisivo no golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, o que lhe rendeu, depois, um ministério no governo de Temer

Foto: Reprodução

Nesta sexta-feira (12), o PSDB anunciou que sua postura, diante dos mais 30 pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro que aguardam uma análise do presidente da Câmara dos Deputados, é a de se colocar de forma contrária à abertura dos processos e defender a continuidade do presidente de extrema-direita.

A decisão é muito diferente do que foi a postura do partido nos últimos anos: desde 2015, o PSDB impulsionou o processo de impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, através, primeiro, da postura de Aécio Neves, em se negar a reconhecer a derrota nas eleições de 2014, e depois, a lançar a acusação por pedaladas fiscais, organizada pelos advogados Miguel Reale Jr e Janaína Paschoal.

Quem anunciou a decisão de ser contra o impeachment de Bolsonaro, aliás, foi o presidente nacional da sigla, Bruno Araújo, que curiosamente foi o autor do voto decisivo na votação da Câmara dos Deputados naquele 17 de abril de 2016, que deu início ao golpe contra Dilma Rousseff. O dele foi o voto 342, que aprovou o início do processo e o afastamento da presidenta. Dias depois, Michel Temer assumiu o cargo, e nomeou o mesmo Araújo como ministro das Cidades.

Em entrevista à Folha de São Paulo, Araújo explicou que a posição do PSDB agora é diferente, porque “o impeachment é potencializar uma crise dentro da mais grave crise sanitária e econômica talvez da nossa história”.

“O PSDB teve a paciência democrática de esperar o tempo e dar as oportunidades a um governo democraticamente eleito de se instalar e trabalhar. O PSDB foi colaborativo. A principal reforma desse governo, da Previdência, foi relatada na Câmara e no Senado pelo PSDB”, explicou o ex-deputado, mostrando que o partido, ademais, apoia a política econômica do atual governo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum