Bolívia: oposição pede intervenção militar contra Evo Morales

Como resposta, Morales afirmou que se reunirá com sindicalistas e funcionários para criar um plano contra a declaração do oposicionista

A oposição ao presidente Evo Morales, através da figura de Luis Fernando Camacho, conclamou os militares a intervir na crise política em que se encontra a Bolívia. A tensão no país é imensa, principalmente após a contestada apuração das eleições que consagraram Morales mais uma vez.

Em comício no sábado (2), Camacho, que é chefe líder do Comitê Cívico de Santa Cruz, avisou a Morales que renuncie ao cargo em 48 horas. O presidente foi eleito em 20 de outubro para o quarto mandato.

O governo boliviano ficou em alerta após o discurso de Camacho. Como resposta, Morales afirmou que se reunirá com sindicalistas e funcionários para criar um plano contra a declaração do oposicionista.

O ministro de Governo, Carlos Romero, destacou que “aquele que pede intervenção militar está pedindo sangue e morte”. Dois manifestantes já morreram e mais 140 pessoas ficaram feridas após o anúncio da vitória de Morales.

A oposição boliviana luta pela anulação do resultado e a convocação de outra eleição, pois acusa Morales de manipular a votação. Durante a apuração, o sistema de contagem ficou paralisado por 20 horas. Além disso, ao ser retomado, apresentou uma mudança inexplicável, que foi questionado pela OEA (Organização dos Estados Americanos).

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR