Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
26 de março de 2019, 09h54

Bolsonaro acentua desmonte no Meio Ambiente com “extinção, adequação ou fusão” do Conama e outras 20 instituições

Ministro Ricardo Salles afirmou que o Conama é “ineficiente” e tentou desqualificar protestos gerados por sua postura autoritária, que impediu a participação dos membros suplentes do órgão de participar de reunião extraordinária ao lado dos titulares: “estratégia da esquerda”

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente. (Foto: Divulgação)

Reportagem de Renato Grandelle para O Globo, publicada nesta terça (26), revela que diversas estruturas ligadas ao Ministério do Meio Ambiente estão sob a mira do governo Jair Bolsonaro (PSL). Em ofício encaminhado ao Ministério do Meio Ambiente, o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, recomenda a análise de “extinção, adequação ou fusão” de 23 comissões, comitês, conselhos e grupos de trabalho ligados à pasta – dois deles estão inativos.

O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), um comitê que gerencia fundo bilionário para a preservação da Amazônia e o grupo que se dedica a estudar mudanças climáticas estão entre os alvos elencados pelo ministro-chefe da Casa Civil de Jair Bolsonaro.

A medida reforça o descaso do governo com as causas ambientais e a pauta que prioriza o poder econômico em detrimento à preservação dos recursos naturais.

O ministério tem até esta quinta-feira (28) para apresentar o resultado dos estudos solicitados por Onyx, recomendando a análise para “extinção, adequação ou fusão” de 23 estruturas, incluindo comitês, conselhos, comissões e grupos de trabalho.

A Casa Civil alega que medidas semelhantes estão sendo adotadas em todas as pastas, visando a desburocratização da máquina pública.

Recentes declarações do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reforçam, porém, a primeira tese.

Por redes sociais, ele afirmou que o Conama é “ineficiente” e tentou desqualificar protestos gerados por sua postura autoritária, que impediu a participação dos membros suplentes do órgão de participar de reunião extraordinária ao lado dos titulares: “estratégia da esquerda”, atacou.

Outro fator que acentua o demonstre na pasta: um em cada quatro cargos dirigentes está vago.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum