Fórumcast #19
21 de março de 2019, 22h28

Bolsonaro admite: “No fundo, não gostaria de fazer a reforma da Previdência”

Jair Bolsonaro evitou o nome de Michel Temer durante transmissão nas redes sociais

Foto: Reprodução/Facebook

Jair Bolsonaro declarou nesta quinta-feira (21), durante transmissão pelas redes sociais, que não gostaria de fazer a reforma da Previdência, em um indicativo de que pensa diferente de Paulo Guedes, ministro da Economia.

“No fundo, não gostaria de fazer a reforma da Previdência. Mas eu estaria sendo irresponsável com o Brasil nos próximos anos”, afirmou Bolsonaro. Ele disse, ainda, que a reforma “vai cobrar menos de quem ganha menos e mais de quem ganha mais” e também defendeu as alterações propostas nas aposentadorias dos militares.

Bolsonaro evitou o nome de Michel Temer, preso nesta quinta-feira (21) e antigo parceiro do atual presidente. Além disso, elogiou Tereza Cristina, ministra da Agricultura, por revogar instruções normativas que permitiam importação de bananas do Equador.

Abordou, também, a tragédia de Moçambique, sua viagem aos Estados Unidos, com visita à CIA, o “acordo” sobre a base de Alcântara, no Maranhão, garantindo que vai manter a soberania nacional.

Cúpula

Bolsonaro está no Chile para participar da Cúpula Presidencial para a Integração da América do Sul. O evento reunirá, além dos presidentes do Brasil e do Chile, os chefes de Estado de Peru, Argentina, Paraguai, Colômbia e Equador.

Veja também:  Moro e Bolsonaro permitem que FBI cace suposto membro da Al-Qaeda no Brasil

Participaram da live, além de Bolsonaro, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, o ministro Augusto Heleno (GSI), o deputado Hélio Lopes (PSL-RJ) e o ministro Wagner Rosário (CGU).

Assistam ao vídeo:


Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum