Bolsonaro detestava Augusto Nunes, hoje ele ama, diz Gustavo Bebianno

O ex-ministro afirma ainda que Augusto Nunes e Cláudio Dantas, do site O Antagonista, foram convidados por ele para comandar a Secretaria de Comunicação do governo. Porém, ambos teriam recusado a oferta de Bolsonaro

Na entrevista que deu ao jornalista Fabio Pannunzio, no canal do Youtube Giramundo, o ex-ministro Gustavo Bebianno disse que Jair Bolsonaro “detestava” o colunista da Veja e da Jovem Pan, Augusto Nunes.

“Eu promovi uma aproximação entre os dois e hoje ele ama o Augusto”, disse o ex-ministro, segundo informações antecipadas pela coluna de Mônica Bergamo, na edição desta quinta-feira (21) da Folha de S.Paulo.

Bebianno afirma ainda que Augusto Nunes chegou a ser sondado por ele para comandar a Secretaria de Comunicação do governo. Cláudio Dantas, do site O Antagonista, também teria sido convidado para o cargo. Porém, ambos teriam recusado a oferta de Bolsonaro.

Moro
Em trecho que já foi ao ar da entrevista, Bebianno afirmou que o ex-juiz, Sergio Moro, teve “5 ou 6” contatos com Paulo Guedes antes do segundo turno das eleições e teria afirmado sua disposição em assumir um ministério em um provável governo Jair Bolsonaro (assista ao vídeo).

“O Paulo Guedes estava na sala, me puxa, me chama e diz assim: Bebianno eu quero conversar com você aqui um negócio importante. E foi a primeira vez que o Paulo Guedes mencionou que estava conversando com o Sergio Moro. Ele me contou que já tinha tido 5 ou 6 conversas com o Sergio Moro e que o Sergio Moro estaria disposto a abandonar a magistratura e aceitar esse desafio como ministro da Justiça”, diz Bebianno, que afirma ainda que está escrevendo um livro sobre os bastidores da campanha de Bolsonaro.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR