quinta-feira, 1 out 2020
Publicidade

Bolsonaro usa caso de bailarina do Faustão e fomenta discórdia entre governador e vice de SC

Jair Bolsonaro usou a prisão da bailarina Natacha Horana, do Domingão do Faustão, na live desta quinta-feira (24) para fomentar a discórdia entre o governador, Carlos Moisés, e a vice, Daniela Reinehr, ambos do PSL, que romperam após o mandatário estadual assinar uma nota com outros 20 governadores em defesa da democracia e cobrando um posicionando do presidente.

Vídeo: Bailarina do Faustão é presa por agredir GCM em festa em apartamento de luxo em Santa Catarina

“O segundo caso ai, de uma casa de uma bailarina, de quem? Santa Catarina”, diz Bolsonaro, fingindo desentendimento. “O governador de Santa Catarina se elegeu usando meu nome, a exemplo do Rio de Janeiro, e depois não sei o que deram (SIC) na cabeça das pessoas e resolveram me atacar. E Santa Catarina é um estado que está sofrendo muito por ações desse tipo por parte do governador que é, se não me engano é comandante do Corpo de Bombeiros, o comandante Moisés, se não me engano”, complementa, sinalizando desconhecer o ex-aliado.

Moisés, que sofre processo de impeachment no Estado, está sendo atacado por bolsonaristas que apoiam agora a vice, Daniela Reinehr, ainda aliada do presidente.

Em recente entrevista à CBN local, Daniela disse que se sente traída pelo governador. “Sendo bem honesta, me sinto [traída]. Houve um distanciamento muito grande do que foi proposto”, afirmou ela, citando a assinatura da carta com críticas a Bolsonaro como motivo principal do rompimento.

“A partir deste posicionamento ficou mais claro do que nunca a diferença de pensamento. Fico muito surpresa, não canso de ser surpreendida. Se apresentou uma proposta que eu também defendi e depois o distanciamento da proposta tem se tornado evidente. Isso não é uma oposição ao governo do estado, à instituição. Mas existem algumas circunstâncias que não dá pra concordar”, disse ela.

Moisés e Daniela foram eleitos em 2018 pelo PSL, na onda do “17” que levou Jair Bolsonaro à presidência. As divergências começaram a partir do momento em que Carlos Moisés passou a adotar, na condução do Estado, um rumo e um perfil diferentes dos adotados por Bolsonaro no Planalto. Perguntada se sentia-se traída, a vice-governadora respondeu positivamente.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.