Colunistas

28 de março de 2017, 13h43

“Bom dia… sou ditador”: o Estado de Exceção como “regra” no Brasil contemporâneo

Novo colunista da Fórum, o historiador Leandro Seawright Alonso escreve sobre o autoritarismo do governo Temer. "Um Estado de Exceção mais competente é aquele que se utiliza menos das armas e da força do 'braço armado'", analisa. "Em geral, utiliza-se caneta, papel, indumentárias irretocáveis e cenários festivos empolgantes, tais como jantares e outras ações recreativas ou perdulárias."

Novo colunista da Fórum, o historiador Leandro Seawright Alonso escreve sobre o autoritarismo do governo Temer. “Um Estado de Exceção mais competente é aquele que se utiliza menos das armas e da força do ‘braço armado'”, analisa. “Em geral, utiliza-se caneta, papel, indumentárias irretocáveis e cenários festivos empolgantes, tais como jantares e outras ações recreativas ou perdulárias.”

Por Leandro Seawright Alonso*

Logo de manhã, o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco acordou, tomou o seu café, vestiu-se e, por conseguinte, apresentou-se ao público: “bom dia… sou ditador”. Se esta fosse uma notícia, uma notícia razoável e com fundamentação, à época da instalação do Regime Militar, teria surpreendido a todos em razão da sua franqueza e teria acometido de morte política o Castelo Branco. Uma espécie de sepultura-simulacro.

Ao contrário disso, construiu-se na sociedade brasileira uma “crença” equivocada de que Castelo Branco e os seus aliados iriam – como “salvadores iluminados” – “arrumar a casa” para, em seguida, entregá-la outra vez aos civis. Daí a necessidade de o Regime Militar Brasileiro ter fortalecido o anticomunismo atestando uma espécie de “batalha apocalíptica” com as organizações de luta armada: como quem diz (e, de alguma forma, disse mesmo): se o inimigo é “muito forte”, o Estado precisa ser mais forte. Distante do que argumenta Marco Antônio Villa (afeito às “transgressões” das fontes históricas), a ditadura se fez desde as origens, isto é, desde o dia 31 de março de 1964. Apesar do seu recrudescimento mais intenso a partir do Ato Institucional Número 5, AI-5, o Regime Militar manteve o “caráter ditatorial” e “truculento” contra os Direitos Humanos desde os primórdios de sua institucionalização. Em nome do combate à corrupção, ao “comunismo pérfido”, como queriam adjetivar, e de outras “pautas conservadoras”, burguesas ou unilaterais, assim como com o apoio de setores fundamentalistas do cristianismo, iniciou-se um tempo – de “longos 21 anos” – em que o Estado perpetrou o terror e o incorporou como a sua própria política. Uma política de perpetração.

Convém, neste momento, perguntar: o que é um Estado de Exceção?

Segundo Giorgio Agamben em sua obra “Estado de Exceção”, influenciada inclusive pela reflexão de Walter Benjamin, trata-se da suspensão da norma ou a sua quase anulação, mas “o que está em questão nessa suspensão é, mais uma vez, a criação de uma situação que torne possível a aplicação da norma”. Ainda para Agamben, o Estado de Exceção “define um ‘estado de lei’ em que, de um lado, a norma está em vigor, mas não se aplica (não tem ‘força’) e em que, de outro lado, atos que não têm valor de lei adquirem sua ‘força’. Isto é, está em jogo ‘uma força de lei sem lei’. De forma descomplicada, é como se um presidente autoritário – e todo o seu aparato – resolvessem: ‘vocês somente têm direito à obediência’ como se o ‘dever fosse um direito’”.

A pergunta que não quer calar é a seguinte: um Estado de Exceção somente se estabelece com base na força das armas e do “braço forte do Estado” ou é possível que haja outro modelo atual para o seu exercício? Há tecnologias bacterianas e capilares de instalação da Exceção? Deixe-me ir direto ao ponto: é possível que o Brasil esteja vivendo efetivamente, para além de um posicionamento ideológico ou outro, um Estado de Exceção?

Sustento que sim, mas com diferenças.

Na sequência, sustento que o autoritarismo de Michel Temer seja “político-bacteriano”; que a hostilidade do autoritarismo em questão se exerça na esfera da aparente “micro-perversidade” por entre os meandros desavergonhados de setores das instituições. Processos de “contaminação bacteriana” adoecem e matam mais “tecnologicamente” do que aqueles que se impõem, mesmo com montagens de aparelhos informativo-repressivos bem feitos, por meio do grande armamento empreendido na Guerra Fria.

Nesse sentido, acometa-se de uma “ficção provocada” e “tosca” como se o texto abaixo fosse mesmo uma notícia em “cenas lúgubres” de um “apocalipse zumbi” no invólucro de um “sincericídio”, de um “suicídio político”:

“Dirigir-me-ei ao Brasil doravante como o vosso presidente… ‘Bom dia… sou ditador’ dos ‘Estados Unidos do Brasil’… Estamos no alvorecer de um novo tempo: vou articular em prol de uma PEC para congelar investimentos e gastos anteriormente necessários… Tornar-se-ão precárias a saúde, a educação e a infraestrutura no Brasil. Seremos neoliberais sem constrangimentos, e, em razão disto, retiraremos os direitos dos trabalhadores, bem como aumentaremos a sua alienante jornada de trabalho… Temos dívidas com aqueles que nos trouxeram até aqui. Retiraremos a obrigatoriedade de disciplinas nefastas e de comunistas do Ensino Médio… E como se não bastasse: Alexandre Frota, digo, Alexandre de Moraes será o novo ministro do STF… Conforme aduziu o meu ‘grande amigo’, ainda, em decorrência de todas as benesses, estancar-se-á a ‘suruba…’, digo, a sangria”.

Se Michel Temer tivesse dito as palavras acima, entre outras que omiti por economia de espaço, a sua sinceridade teria anunciado – mesmo sem o ressoar das panelas – aquilo que se sabe: um Estado de Exceção mais competente é aquele que se utiliza menos das armas e da força do “braço armado” para, ao invés disso, produzir determinada “contaminação bacteriana”. Em geral, utiliza-se caneta, papel, indumentárias irretocáveis e cenários festivos empolgantes, tais como jantares e outras ações recreativas ou perdulárias.

Tudo sob a égide dos “sepulcros caiados”.

Para os autoritários de atualmente, torna-se necessário “amputar” do Ensino Médio a disciplina de História, entre outras, e estabelecer os pressupostos da Escola Sem Partido, para que não se descubra o evidente:

Estado de Exceção no Brasil, não é “exceção”…
…no Brasil, como se sabe, sem originalidade, Estado de Exceção é “regra”.

Lutemos pelo direito ao voto, por eleições gerais e por mais qualidade democrática.

leando_Seawright_ Alonso
* Leandro Seawright é historiador e professor universitário. Pós-doutorando e doutor em História Social pela FFLCH/USP. Foi pesquisador da Comissão Nacional da Verdade  (CNV). É autor de diversos artigos acadêmicos e livros, entre eles “Ritos da Oralidade: a tradição messiânica de protestantes no Regime Militar Brasileiro”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum