CPI: Esquema implantado por Ricardo Barros na Saúde renderia até R$ 296 mil mensais a envolvidos

Esquema teria sido implantado quando Ricardo Barros, ex-ministro da Saúde e atual líder do governo Bolsonaro na Câmara - extinguiu a empresa estatal de distribuição de vacinação e contratou uma empresa privada, que pagaria propina mensal a ele

Um suposto esquema de corrupção implantado por Ricardo Barros em 2018, quando foi ministro da Saúde do governo Michel Temer (MDB), estaria rendendo até hoje, no governo Jair Bolsonaro (Sem partido), renderia cerca de R$ 296 mil mensais a ele e outros dois envolvidos, que receberiam o mesmo valor, além de R$ 99 mil por mês ao ex-diretor de Logística do ministério, Roberto Dias.

O esquema é o mais novo foco da CPI do Genocídio, segundo reportagem de Lucas Valença, no portal Uol nesta segunda-feira (19).

Segundo membros da CPI o esquema foi implantado quando Ricardo Barros – atual líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara – extinguiu a Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Cenadi), empresa estatal responsável pela distribuição de vacinas.

No lugar da Cenadi, Barros assinou um contrato por 5 anos por um valor total de R$ 592.733.096,15 com a empresa VTC Operadora Logística Ltda, conhecida como VTCLog.

Na negociata feira por Barros, a VTCLog se comprometeria a desviar 10% do valor para pagamento da propina.

O valor do contrato renderia por mês cerca de R$ 990 mil aos envolvidos, sendo 10% (R$ 99 mil) para Dias e o restante dividido entre Barros e os outros dois envolvidos, que não tiveram os nomes divulgados.

A empresária Andreia Lima Marinho, que se encontrava constantemente com Roberto Dias, teve o pedido de convocação feito pelo senador Randolfe Rodrigues aprovado, mas ainda não foi definida uma data para ouvi-la.

Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na segunda-feira passada (12), o deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou que há no Ministério da Saúde um “mensalão”, sem dar detalhes sobre o suposto esquema.

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR