Defensor da privatização do SUS, Amoêdo toma vacina contra Covid na rede pública e é ironizado: “Pagou ou foi estatal?”

Em sua campanha à presidência em 2018, empresário do partido Novo defendia "vouchers" para o sistema de saúde, em detrimento do serviço público

O empresário João Amoêdo (Novo), candidato à presidência em 2018 e virtual presidenciável em 2022, recebeu nesta sexta-feira (4) dose da vacina contra a Covid-19.

“Vacinado! Espero que as vacinas cheguem a todos os brasileiros o mais rápido possível!”, escreveu em suas redes sociais, junto a uma foto que mostra o momento de sua imunização.

A postagem do empresário gerou forte repercussão pelo fato de ele ser um privatista que defende de forma ferrenha o “Estado mínimo” e, mesmo assim, recorrer ao Sistema Único de Saúde (SUS) para receber a vacina. Em nenhum lugar do mundo os imunizantes estão sendo vendidos pela iniciativa privada aos cidadãos e, no caso do Brasil, é justamente o sistema público com o qual ele discorda que coordena o Programa Nacional de Imunização (PNI).

“VOCÊ PAGOU OU FOI ESTATAL?”, questionou o perfil satírico Coronel Siqueira na publicação de Amoêdo no Twitter. “O SUS é tão incrível que não tem seletividade, vacinam até burguês canalha que faz de um tudo pra privatizá-lo”, comentou, por sua vez, o vereador Vini Castello (PT-PE), da cidade de Olinda.

Durante sua campanha à presidência em 2018, uma das principais bandeiras de Amoêdo foi a privatização de todos os serviços públicos. No caso da Saúde, o empresário chegou a sugerir que se criasse um “voucher”, que funcionaria como uma espécie de plano de saúde popular para o acesso ao serviço, em detrimento da oferta gratuita de acesso à Saúde pelo SUS.

Confira a repercussão da postagem de Amoêdo sobre sua vacinação pelo sistema público.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR