Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de agosto de 2019, 11h47

Diretor do Metrô em várias gestões tucanas confessa propina e fecha delação

Por conta de sua delação, Sérgio Corrêa Brasil e 13 executivos das empreiteiras viraram réus no âmbito da Lava-Jato de São Paulo

Foto: Reprodução Rede Globo

Sérgio Corrêa Brasil, ex-diretor do Metrô e ex-assessor do programa de parcerias público-privadas na Secretaria de Planejamento de São Paulo, fechou delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

Corrêa confessou ter recebido propina das cinco maiores empreiteiras do país (Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS) relativa a obras realizadas ao longo de diferentes governos tucanos no estado.

Por conta disto, o próprio Corrêa Brasil e 13 executivos das empreiteiras viraram réus no âmbito da Lava-Jato de São Paulo.

Ele atuou em licitações bilionárias no governo de São Paulo mesmo depois de seu nome aparecer nas investigações da Operação Castelo de Areia, em 2009. Ele foi acusado por outros delatores de receber propina em obras de quatro linhas do metrô paulista.

Em planilhas de pagamento das empreiteiras Odebrecht e Camargo Corrêa, o ex-assessor foi identificado com os apelidos de “Brasileiro”, “Encostado” e “Mel de Abelha”. Funcionário de carreira do Metrô, além de postos de gerente, Corrêa Brasil ocupou entre agosto de 2008 e dezembro de 2010 o cargo de diretor de assuntos corporativos da empresa.

O caso que já foi transformado em ação é relativo a obras das linhas 2, 5 e da concessão da parceria público-privada para a construção da linha 6. Foram denunciados pelo MPF executivos da Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e OAS. A denúncia foi recebida pela juíza federal substituta Flavia Serizawa e Silva, da 3ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

Em um dos casos de corrupção relatados na denúncia, Corrêa Brasil ocupava o cargo de assessor de parcerias público-privadas na Secretaria de Planejamento. Tinha, segundo um delator, até uma sala no Palácio dos Bandeirantes, a sede do governo paulista.

A Força Tarefa da Lava Jato em São Paulo informa que seguem abertas investigações separadas que apuram o crime de cartel pelas construtoras nas linhas 2, 5 e 6 e eventuais crimes no processo de licitação e construção da linha 4 do Metrô.

Com informações do Globo

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum