quarta-feira, 23 set 2020
Publicidade

Eduardo Bolsonaro abre crise diplomática ao lançar campanha por golpe contra Maduro na Venezuela

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) está ativo em suas redes sociais nesta quarta-feira (13). O filho do presidente atua através de vídeos e tuítes para mobilizar seus seguidores a defender a invasão de apoiadores de Juan Guaidó na embaixada venezuelana em Brasília e destituir o presidente Nicolás Maduro.

Depois de publicar vídeo com declarações do principal invasor – o chanceler de Guaidó, Tomás da Silva – Eduardo também publicou um vídeo seu, no YouTube, sustentando que funcionários da embaixada reconheceram Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e que “entregaram” o local a seus apoiadores. No entanto, de acordo com relatos, invasores pularam o muro e ocuparam as instalações.

“De ontem para hoje, ocorreu uma troca de poder, e quem tá ocupando a embaixada neste exato momento é o diplomata de nome Tomás, que faz parte da equipe da embaixadora Maria Teresa Belandria”, disse o deputado, citando a advogada indicada por Guaidó a ocupar a embaixada, mas que nunca assumiu o cargo.

Em seguida, Eduardo diz que “petistas” estão na porta da embaixada pedindo a permanência no local de Manuel António Barroso, apoiador do presidente Nicolás Maduro. O deputado também afirma que os atuais funcionários do local reconhecem o governo de Maduro como legítimo, mas que agora foi feito “justiça”.

“Peço a vocês que apoiem de todas as maneiras essa legítima entrada de Tomás dentro da embaixada venezuelana. Se possível, subir a hashtag #ForaMaduro”, continuou.

Militância de Eduardo e invasão à embaixada acontecem no dia de abertura da 11.ª Cúpula do Brics, em Brasília, que reúne os líderes de Rússia, Índia, China e África do Sul, países que apoiam a permanência de Nicolás Maduro no poder.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.