Eduardo Bolsonaro ataca Sheherazade e diz que Facada Fest foi inspirado na tentativa de assassinato do pai

Festival de punk acontece desde 2017, antes mesmo do episódio da facada contra Bolsonaro

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi às redes sociais nesta sexta-feira (28) para atacar as jornalistas Rachel Sheherazade e Mônica Bergamo por ironizarem o pedido de inquérito do ministro da Justiça, Sergio Moro, contra artistas punk de Belém. O grupo é responsável pelo evento de rock “Facada Fest” e usaram ilustrações satíricas contra Jair Bolsonaro para divulgar o festival.

“Os mesmos que nos acusam de intolerantes e ditatoriais ESTIMULAM deliberadamente uma próxima tentativa de assassinato contra meu pai. Não se trata de apoio ou não ao Presidente, de respeitá-lo ou não. Aqui estamos na esfera criminal e não na de debate político. Teucu é pouco!”, escreveu o deputado.

Por conta do pedido de inquérito de Moro, “Facada Fest” foi para nos trending topics do Twitter nesta sexta. A jornalista Mônica Bergamo chamou o fato de “sucesso”, o que irritou o filho do presidente. Já Sheherazade publicou as ilustrações do grupo punk contra Bolsonaro e ironizou: “peço que não retuítem, pela honra do nosso presidente”.

A Fórum apurou que o Facada Fest acontece desde 2017, antes mesmo do episódio da facada contra Bolsonaro em Juiz de Fora. Dessa forma, Eduardo mente ao dizer que o festival foi inspirado no atentado e que evento estimula “uma próxima tentativa de assassinato”.

O festival deveria ter acontecido na capital paraense no ano passado, mas uma ação da PM — sob a alegação que o evento não tinha alvará — impediu o andamento do festival de punk e hardcore.

Confira:

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR