Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
21 de novembro de 2019, 15h40

Ernesto Araújo se enrola e faz discurso ininteligível para explicar política externa brasileira

Segundo o ministro, o Itamaraty pode ser comparado com uma loja que sempre produziu "fogões", mas agora produz "motocicletas"

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

“Vamos imaginar que o Itamaraty é uma loja com vários produtos”. Foi assim que o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, começou seu confuso discurso sobre a nova política externa brasileira, em seminário realizado nesta quinta-feira (21), na Câmara. O evento foi convocado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores da casa.

Na analogia de Araújo, o Itamaraty tinha uma tradição de fabricar “fogões” reconhecidos internacionalmente e fazia com que os governos adotassem o “fogão” mesmo buscando outros “eletrodomésticos”. Segundo ele, Bolsonaro foi o primeiro a recusar o “fogão” e buscar uma “motocicleta”.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

“As pessoas falavam ‘não, presidente, nossa tradição é o fogão, internacionalmente respeitado’, mas o presidente não quis, ele queria uma motocicleta e nós estamos tentando construir e entregar essa motocicleta, porque é o que esse presidente prometeu em sua campanha ao povo brasileiro. O povo brasileiro não queria um fogão, queria uma motocicleta”, afirmou Araújo. “Mas nós também estamos produzindo fogões”, disse ainda.

Apesar da péssima analogia, a fala do chanceler demonstra que a guinada promovida por Bolsonaro criou tensões internas e não se importou com a tradição diplomática brasileira de não fomentar conflitos, buscar sempre o diálogo com as nações e manter uma relação boa, porém insubmissa com relação aos Estados Unidos.

Diretrizes

Além da comparação, o ministro ainda não soube explicar as novas diretrizes da política externa e falou em rompimento com o multilateralismo, na “unidade do povo brasileiro” e em corrupção.

Além de Araújo, participaram o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Sérgio Ricardo Segovia Barbosa. Jair Bolsonaro havia confirmado participação, mas cancelou a presença de última hora.

Assista à fala do ministro:


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum