Entrevista exclusiva com Lula
27 de abril de 2018, 16h29

“Fala de bicho, fala de gente – Cantigas de Ninar do povo indígena”, uma obra inesquecível e imprescindível

Uma viagem que, acima de nos fazer compreender o povo Juruna e seus cantos, nos faz questionar e entender a nós mesmos e o nosso papel no planeta

É um trabalho primoroso e imprescindível. Daquelas coisas que só se faz debaixo de muita paixão e também a atenção de alguém para produzir. Pois foi assim, através das edições SESC que a linguista e musicista Cristina Martins Fargetti, com participação da compositora, cantora e pesquisadora da cultura indígena brasileira Marlui Miranda, conseguiu realizar o livro “Fala de bicho, fala de gente – Cantigas de Ninar do povo indígena”.

Resultado de uma grande e inédita pesquisa sobre o povo Tupi da família Juruna, que vive no Parque Indígena do Xingu, em Mato Grosso, o livro vem acompanhado de um disco, onde os próprios indígenas entoam as suas cantigas. Todo o trabalho é resultado da percepção dos próprios Juruna de que este tipo de cantiga estava desaparecendo. A partir das oficinas que geraram a ideia do livro, eles conseguiram recuperar os cantos que, segundo eles, voltaram a ser entoados na aldeia.

O levantamento extremamente minucioso, começa com um apanhado da vida e trajetória dos Juruna, um estudo breve sobre linguística, a fala com os seus significandos, as formas de expressão. Logo a seguir, o livro traz um estudo sobre as canções de ninar e o seu papel em várias civilizações mundo afora.

Na segunda parte, o livro entra nas canções propriamente ditas. Daí em diante, entramos em um mundo ao mesmo tempo completamente estranho e também com várias particularidades e semelhanças. Cada letra de cada canção é ilustrada e acompanhada de uma sugestão de tradução. Nestas traduções, acompanhamos toda a riqueza cultural, os hábitos, o dia a dia, as disputas, enfim toda a maneira de viver e pensar dos Juruna.

Logo a seguir, através de um amplo estudo musical, onde tanto o leigo quanto o músico mais experiente podem acompanhar através de partituras, formas e estruturas musicais, há uma exposição em detalhes do que a autora chama da “ecologia sonora nas cantigas de ninar Juruna”.

A partir disto, entramos nas partituras das cantigas propriamente ditas, acompanhadas nota a nota das letras, de seus fonemas. A tentativa da transcrição, sobretudo rítmica, é acompanhada muitas vezes por duas partes paralelas, onde uma decifra melodia e canto e a outra a parte percussiva. A qualquer um que leia ou entenda um pouco de notação musical, se tem, diante do pentagrama a noção exata do mundo absolutamente novo que se abre através dessas cantigas.

Ao final, depois de tudo, inclusive a conclusão que revela inúmeras surpresas a respeito, tanto da vida dos Juruna quanto a dos humanos e bichos em todas as partes do planetas, temos o disco com as gravações.

Um universo se abre em movimentos sutis e, num primeiro momento, muito estranhos, mas que são perfeitamente traduzidos pelas autoras. Para completar tudo, vale mencionar a beleza da obra, com um formato um pouco mais amplo, o que dá uma visão mais clara da diagramação, fotos, cores e texto.

Uma viagem inesquecível que, acima de nos fazer compreender o povo Juruna e seus cantos, nos faz questionar e entender a nós mesmos e o nosso papel no planeta.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum