O que o brasileiro pensa?
05 de fevereiro de 2020, 08h30

Funai trata índios como “invasores” e os acusa de “marxismo ortodoxo”

Texto faz referência à promessa de Bolsonaro de que em seu mandato não haveria nenhuma demarcação de terra indígena

Foto: Mario Vilela/Funai

Um documento da Fundação Nacional do Índio (Funai), assinado pelo procurador-chefe nacional do órgão, Álvaro Osório do Valle Simeão, publicado nesta segunda-feira (3), usa o que chama de “antropologia trotskista” e “marxismo ortodoxo” para justificar por que tem proibido seus funcionários de visitar áreas ainda em processo de demarcação.

No despacho, o procurador trata os índios que ocupam essas áreas como “invasores” de propriedades privadas. Além disso, afirma que o veto à presença dos servidores em áreas ainda não homologadas ocorre porque há impasse sobre propriedades privadas nessas áreas.

“Os títulos de propriedade privada, assim como os atos de posse, no que se refere a terras em estudo ou declaradas, só se constituem após a homologação presidencial. Até lá adentrar em propriedades privadas que sejam limítrofes ou se sobreponham a essas terras é ato que cabe na definição de invasor no Código Civil ou Código Penal.”

Ainda segundo o procurador, inexiste o que comumente se chama de “retomada”, que é um “conceito construído a partir de uma antropologia de linha trotskista, ou seja, despreza o papel do Estado como demarcador e crê no desforço imediato, inclusive violento, para concretização de objetivos sociais”. “A doutrina também usa o termo marxismo ortodoxo”, afirmou.

Em outro trecho, o texto cita o artigo 1.210 do Código Civil para explicar que invasor “é todo aquele que turba ou esbulha a posse ou propriedade de outrem”. E afirma que o artigo 150 do Código Penal define o crime de invasão como “entrar ou permanecer, clandestina ou astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou tácita de quem de direito, em casa alheia ou em suas dependências”.

“Trata-se de critério legítimo ante à finitude de recursos. Se existissem recursos para todos e todas as situações, os invasores seriam também atendidos, pois o que interessa à Funai é a pessoa do índio.”

No documento, o procurador afirma ainda que “o atual governo, legitimado por 57.797.847 votos, não ratifica ou alimenta com recursos humanos ou materiais esse tipo de ação não civilizada”. Era uma referência à promessa do presidente Jair Bolsonaro de que em seu mandato não haveria nenhuma demarcação de terra indígena.

O documento é uma resposta a um questionamento do Instituto Socioambiental (ISA) sobre os critérios que levaram à paralisação das visitas. Elas estão proibidas desde o fim do ano passado por ordem presidente da Funai, Marcelo Augusto Xavier da Silva, que tem autorizado esses trabalhos somente em terras indígenas já homologadas.

Com informações do Valor


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum