Fórumcast, o podcast da Fórum
18 de julho de 2019, 23h10

Governo volta atrás sobre liberar FGTS

Medida foi tomada após pressão do setor da construção civil

Bolsonaro e Onyx Lorenzoni (Foto:Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o anúncio sobre a liberação para saques do FGTS seria feito nesta quinta-feira (18) pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Porém, houve um recuo do governo por conta da pressão feita por representantes da Câmara Brasileira da Indústria e Construção.

De acordo com os empresários o governo não poderia liberar os saques sem antes consultar o Ministério da Economia sobre as mudanças. O setor tem medo que essa medida do Planalto prejudique ainda mais o setor que está em crise há algum tempo. O FGTS costumar movimentar cerca de R$ 100 bilhões e se o governo colocasse em ação o plano de saque neste momento, aproximadamente de 30% desse valor, o financiamento de imóveis poderia ser comprometido.

Leia também
Governo Bolsonaro quer acabar com liberação de FGTS em demissão sem justa causa

Lorenzoni garante que a proposta para o FGTS está em fase sendo debatida pela equipe econômica e que foi decidido adiar o anúncio após reunião da Junta de Execução Orçamentária. Onyx prometeu que a medida que será anunciada não vai atrapalhar o uso do fundo para o financiamento habitacional.

Veja também:  Primeiro-ministro britânico manda recado ao Brasil e diz que está disposto a agir pela Amazônia

Quem fez sérias críticas às atitudes do governo federal foi o economista e professor da Unicamp, Márcio Pochmann. “Mediocridade na análise econômica midiática esconde efeito perverso da liberação de saques do FGTS que descapitaliza a maior fonte de financiamento da habitação e infraestrutura urbana, cuja queda líquida desde 2015 torna negativo o seu saldo em 2019 e limita a geração de emprego”, disse.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum