Entrevista exclusiva com Lula
07 de setembro de 2018, 09h27

Historiador compara atentado a Bolsonaro com o da rua Tonelero

“Em um e outro caso, um idiota impulsivo tenta resolver a questão com as próprias mãos e joga o país no abismo”, escreveu Lira Neto, autor de biografia de Getúlio Vargas

O escritor Lira Neto. Foto: Reprodução TV

O historiador Lira Neto, autor de “Getúlio”, biografia do ex-presidente publicada em três volumes, comparou em sua conta do Twitter, nesta quinta-feira (6), o atentado contra o presidenciável Jair Bolsonaro com o da rua Tonelero, no Rio de Janeiro, ocorrido em agosto de 1954, contra a vida do político e jornalista da UDN, Carlos Lacerda.

Para o historiador, “em um e outro caso, um idiota impulsivo tenta resolver a questão com as próprias mãos e joga o país no abismo”, escreveu.

“O 6 de setembro de 2018, respeitadas as devidas proporções, talvez fique marcado na história como o 5 de agosto de 1954. Em um e outro caso, um idiota impulsivo tenta resolver a questão com as próprias mãos e joga o país no abismo.”

Sobre o caso, Lira Neto ainda comentou: “Queria acreditar que a lição histórica que resta de episódio tão lamentável é que o discurso do ódio irracional só promove ainda mais ódio. Aquele mesmo ódio insano que um dia se volta para o que odeia. Mas minha dor é perceber que a verdadeira vítima seremos nós”.

E finalizou: “O tresloucado ataque físico a Jair Bolsonaro deu-lhe uma dimensão que ele nunca tivera na mídia hegemônica – e, ao mesmo tempo, ampliou-lhe a repercussão e o espaço já dilatados nas redes. A um mês da eleição, o efeito disso é imprevisível”, encerrou.

Relembre o caso

O atentado contra a vida do político Carlos Lacerda, ocorrido na Rua Tonelero, no Rio de Janeiro, no dia 5 de agosto de 1954, é considerado um episódio chave na derrocada do segundo governo de Getúlio Vargas. Lacerda era um dos principais opositores de Vargas e já havia disso ameaçado de morte diversas vezes. Por conta disto, oficiais da Aeronáutica faziam a sua segurança durante os comícios.

Na ocasião, Lacerda foi atingido com um tiro no pé e o major-aviador Rubens Florentino Vaz morreu. O chefe da guarda pessoal de Getúlio, Gregório Fortunato, foi acusado de mandante do crime. A crise política se acirrou a partir do episódio, que acabou culminando com o suicídio de Getúlio.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum