Lideranças de 26 países assinam carta alertando sobre atos golpistas de Bolsonaro

Documento fala em "insurreição" no feriado de 7 de setembro, Dia da Independência, e que manifestações encampadas pelo presidente "colocam em risco a democracia no Brasil"

Ex-presidentes e parlamentares de 26 países assinaram uma carta alertando para os riscos de uma “insurreição” nos atos golpistas de 7 de setembro convocados pelo presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Para essas lideranças, as manifestações “colocam em risco a democracia no Brasil”.

Entre os nomes pesos-pesados que referendam o documento estão o ex-presidente de governo da Espanha José Luis Rodríguez Zapatero, os ex-presidentes Fernando Lugo, do Paraguai, Ernesto Samper, da Colômbia, Rafael Correa, do Equador e o vice-presidente do Parlamento do Mercosul, Oscar Laborde, além de figuras como os intelectuais Noam Chomsky e Cornel West, dos Estados Unidos, e o Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel, da Argentina.

“Estamos seriamente preocupados com a ameaça iminente às instituições democráticas do Brasil —e estamos vigilantes para defendê-las antes e depois do dia 7 de setembro”, diz um trecho do texto, que vem acompanhado da lista de autoridades políticas signatárias, que no total somam mais de 150.

A relação de ex-chefes de governo e parlamentares de Espanha, Paraguai, Alemanha, EUA, Grécia, Colômbia, Reino Unido, França, Nova Zelândia, Austrália, Chile, Equador, Argentina, Uruguai, Guatemala, Bélgica, Suíça, Peru, Panamá, Bolívia, Itália, Costa Rica, El Salvador, México, República Dominicana e Brasil encerra a carta, que foi articulada pela Progressive International, uma rede de líderes políticos progressistas que trava uma severa luta contra a expansão do ultraconservadorismo no mundo.

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR