Luis Miranda pedirá que PF investigue possível espionagem de Bolsonaro

Deputado federal disse que começou a ser perseguido por bolsonaristas após depoimento na CPI da Covid-19. Ele suspeita que ordens tenham partido do próprio presidente

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) disse que acionará a Polícia Federal para investigar se foi espionado pelo governo de Jair Bolsonaro (Sem Partido) após denunciar irregularidades na compra da vacina Covaxin.

Em entrevista à Veja, o parlamentar contou que começou a ser perseguido e filmado por bolsonaristas após depoimento na CPI da Covid-19.

Miranda afirmou que, em uma ocasião, foi filmado ao chegar para uma reunião. A intenção dos seguidores do presidente era comprovar que ele estaria conspirando com Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, e Omar Aziz (PSD-AM), presidente da comissão, para derrubar o governo.

Notícias relacionadas

O deputado negou relações com ambos e declarou que só os conheceu às vésperas do depoimento na CPI. O parlamentar teme, até, que estivessem planejando “fazer algum mal ou até tirar sua vida para impedir que falasse a verdade”.

“Irei entrar com um pedido de investigação por parte da Polícia Federal para saber se eu fui grampeado de forma ilegal, espionado de forma ilegal e até se estavam pretendendo fazer algum mal ou até tirar a minha vida para impedir que eu falasse a verdade”, disse à Veja.

Para Miranda, a espionagem pode sido ordenada até mesmo por Bolsonaro. De acordo com ele, o presidente “desde o início estava tentando encobrir algo que ele sempre teve conhecimento que ocorria dentro do Ministério da Saúde”.

“Se saiu do próprio presidente da República a autorização para espionar a testemunha, ele é cúmplice de todos os crimes que nós sabemos que ocorreram no caso Covaxin e no Ministério da Saúde”, afirmou.

“E covarde, porque ele sabe o que falou para mim e sabe o que eu levei para ele. E ele sabe que se viesse a público detalhadamente a forma como ele adjetivou as pessoas com quem hoje ele anda ombradamente ele seria sofreria processo de impeachment no dia seguinte”, completou.

Publicidade
Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR