Lula a Bolsonaro: livro ‘tem muita coisa escrita’, mas vale ler este pra não deixar 2 milhões na fila da previdência

"Ora, tem tanta gente desempregada, por que pegar os aposentados pra fazer?", declarou Lula

Em publicação em rede social, o ex-presidente Lula criticou a decisão do governo Bolsonaro de recrutar militares reformados para realizarem serviços para zerar a fila do INSS. O ex-presidente ainda afirmou que Bolsonaro precisa aprender com as políticas implementadas pelo governo Lula.

“Vi no jornal que vão requisitar 7 mil soldados reformados em uma força tarefa para resolver a fila do INSS. Ora, tem tanta gente desempregada, por que pegar os aposentados pra fazer?”, publicou o ex-presidente em sua conta no Twitter.

O ex-presidente ainda recomendou que Bolsonaro lesse uma publicação que relata como o governo Lula zerou as filas das aposentadoria. “O Bolsonaro disse que livro “tem muita coisa escrita”, mas vale a leitura para aprender como não deixar 2 milhões de brasileiros esperando resposta da previdência”, disse, ironizando declaração dada pelo ex-capitão sobre livros didáticos.

O livro “Virada de Gestão” foi lançada em 2013 pela Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) reunindo as medidas adotadas pelo governo do ex-presidente para lidar com as filas do INSS. “É um relatório útil ao atual governo, caso demonstre de fato interesse em resolver um problema que sequer deveria estar de volta”, diz ainda nota publicada no site de Lula.

Em entrevista concedida à rede TVT na quarta-feira, Lula afirmou que ele e outros dos responsáveis por implementar as políticas que acabaram com as filas estariam dispostos a auxiliar o governo em prol do trabalhador.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR