Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de fevereiro de 2019, 13h50

Marco Aurélio, do STF, nega recurso e Bolsonaro é condenado a indenizar e retratar Maria do Rosário

Bolsonaro terá de pagar R$ 10 mil à petista e publicar retratação em redes sociais sobre declaração misógina, em que disse que não "iria estuprar" deputada, "porque não merece"

Maria do Rosário e Bolsonaro na Câmara dos Deputados (Arquivo)

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve nesta terça-feira (19) a condenação por danos morais imposta pela Justiça para que Jair Bolsonaro (PSL) pague uma multa de R$ 10 mil por ofensas disparadas contra a deputada federal Maria do Rosário (PT/RS).

Em 2014, Bolsonaro disse que não estupraria Maria do Rosário pois ela não mereceria, “porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia, não faz meu gênero, jamais a estupraria. Eu não sou estuprador, mas, se fosse, não iria estuprar, porque não merece”.

Leia: Marco Aurélio, do STF, nega recurso e Bolsonaro é condenado a indenizar e retratar Maria do Rosário

“Depois de anos de leniência por parte do poder judiciário em relação à violência contra as mulheres (que resultou numa condenação internacional no caso Maria da Penha), vem do poder judiciário uma mensagem clara de que a violência contra as mulheres, seja ela verbal ou física, não será tolerada”, declarou, em nota, a advogada Camila Gomes, que fez a defesa da petista.

A deputada entrou com processos contra Bolsonaro nas esferas cível e criminal. A criminal foi suspensa recentemente por causa do mandato de presidente. Mas, a cível continua, com a decisão de Marco Aurélio de negar recurso da defesa de Bolsonaro.

Marco Aurélio também manteve a determinação para que o presidente publique uma retratação em jornal de grande circulação, em sua página oficial no Facebook e em sua página no YouTube.

Na decisão, Marco Aurélio afirma que a imunidade prevista na Constituição – segundo a qual o presidente da República não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao mandato – não se encaixa nas situações de esfera civil, como uma reparação por danos morais.

Leia a íntegra da nota da advogada Camila Gomes. do escritório Cezar Britto & Advogados Associados, que representa Maria do Rosário na ação.

“Essa decisão restaura a dignidade para a deputada Maria do Rosário, assegurando que ela tem o direito de exercer o seu mandato legitimamente conquistado pelo voto popular sem sofrer discriminação, sem ataques a sua honra, sem ameças a sua integridade física. Depois de anos de leniência por parte do poder judiciário em relação à violência contra as mulheres (que resultou numa condenação internacional no caso Maria da Penha), vem do poder judiciário uma mensagem clara de que a violência contra as mulheres, seja ela verbal ou física, não será tolerada. Esperamos que essa decisão repercuta para todas as esferas do sistema de justiça e que se constitua numa proteção efetiva às mulheres no Brasil. Por fim, a decisão evidencia que a imunidade parlamentar é uma prerrogativa que deve ser usada em favor da democracia e não para violar direitos”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum