Fórum Educação
15 de janeiro de 2020, 08h37

“Meu nome é Daciolo!”: Dois grupos disputam recriação do Prona

Em um dos lados está o Cabo Daciolo

Foto: Reprodução

Acreditem. Há uma briga pelo domínio do Prona, partido criado pelo político Enéas Carneiro (Meu nome é Enéas!), que ocorre no eixo Rio-São Paulo. De um lado está a advogada Patrícia Lima, ex-deputada estadual de São Paulo que se diz filha adotiva e herdeira política de Enéas. Do outro o taxista Marcelo Vivório, atual coordenador especial da secretaria de governo da Prefeitura de Campos de Goytacazes (RJ).

Se, por um lado, Vivório está na disputa há mais tempo e já conta com metades das quinhentas mil assinaturas para registrar o partido, Patrícia tem um aliado de peso: o Cabo Daciolo, candidato a presidente em 2018.

O Prona desapareceu da cena no fim de 2006 quando se fundiu ao PL para dar origem ao PR, hoje rebatizado como PL (Partido Liberal). Era um partido atrelado à imagem de seu fundador, o médico cardiologista Enéas Carneiro.

Aborto, casamento gay e drogas

As divergências iniciais seriam em torno de questões como aborto, casamento gay e liberação das drogas, mas há dúvidas. João Vitor Sparano e Patrícia Lima alegaram que Vivório defendia estas pautas. O taxista rebate dizendo que a união de pessoas do mesmo sexo não está na pauta de seu grupo e que é contra o aborto e a liberação das drogas.

Vivório, 38, argumenta que a ex-deputada não possui as características necessárias para pertencer ao Prona. “Ela não tem o perfil do nosso partido. Ela não é filha adotiva do dr. Enéas, ela mente sobre isso.”

Patrícia e o marido dizem que ela trabalhou com Enéas e era tratada como filha pelo fundador da legenda. “O dr. Enéas deixou para a Patrícia o estatuto e o manifesto do Prona para que um dia viesse a registrar”, afirma Sparano.

Bolsonaro

Já sobre o governo de Jair Bolsonaro, a situação é mais clara. Vivório apoia: “Estamos alinhados com a direita e acreditamos no sucesso que a direita vai ter de agora para frente. Já teve com a eleição do Bolsonaro, que mostrou que o país deu uma mudada. Esperamos que ele faça uma boa gestão. Acreditamos que a direita tem condições de resgatar o nosso país”, afirma.

“Estamos observando o governo Bolsonaro nas medidas econômicas, que são importantes para resgatar o nosso país. Torcemos pelo sucesso”, prossegue o taxista, que se diz favorável à privatização de estatais “desde que seja para o bem do país”.

Já Sparano afirma que seu grupo não é de direita nem de esquerda, defende a auditoria da dívida pública e faz críticas às privatizações do governo Bolsonaro. “Eu não enxergo Jair Bolsonaro como um patriota. A direita Bolsonaro não é uma direita nacionalista”, comenta.

“Hoje a direita está vendendo tudo. Nossas empresas estão sendo vendidas a preço de banana. Primeiro eles vão sucatear para depois vender. Criticaram o [ex-presidente] Fernando Henrique Cardoso [PSDB] por isso lá atrás e hoje eles fazem o mesmo trabalho. Os ideais do Prona não são esses, continuam os mesmos do doutor Enéas Carneiro. Somos nacionalistas.”

Bomba Atômica

Os dois grupos discordam também sobre a fabricação da bomba atômica. Vivório é relutante e acha que o tema “tem que ser muito bem estudado. Mas o Brasil é um país muito pacífico, eu acho que a gente deve prezar por isso: tentar um bom diálogo. Acho que é o caminho para todos”, diz.

Já Sparano, defende a criação: “Somos favoráveis à soberania nacional. A bomba atômica não é para criar guerra. Você não compra um revólver para sair atirando em todo mundo. A bomba atômica é para a soberania nacional”, declara.

Com informações do UOL


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum