Milícias exploram lanchonetes, creches e estacionamento em hospitais do Rio

Durante depoimento à CPI, em junho, Witzel afirmou que corre risco de morte nas mãos de milicianos que participam de uma suposta máfia da saúde no estado

Senadores da CPI da Covid receberam denúncias da rede federal de Saúde do Rio de Janeiro de que milicianos estariam operando serviços dentro de hospitais da cidade.

Os senadores ficaram assombrados com a informação de que eles exploravam lanchonetes e creches vinculadas ao ministério da Saúde.

Entre os casos investigados pela Polícia Federal (PF), está o da exploração de um terreno em frente ao hospital Cardoso Fontes (foto), na Zona Oeste do Rio.

O local, conforme informação da coluna de Lauro Jardim, era usado para tratamento de água e esgoto da unidade de saúde, mas foi ocupado, sem licitação, e “passou a ser explorado comercialmente para atividade de estacionamento”, segundo a PF.

O negócio, de acordo com as denúncias, era operado por milícias com a conivência da direção da casa de saúde.

Witzel alertou a CPI

Durante o seu depoimento na CPI do Genocídio, em junho, o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel afirmou que corre risco de morte nas mãos de milicianos que participam de uma suposta máfia da saúde no estado. “Você pode ter certeza, senador Renan, que eu corro risco de vida (Sic). Eu tenho certeza, porque a máfia da saúde no Rio de Janeiro e quem está envolvido por trás… tenho certeza que tem miliciano envolvido por trás disso. Eu corro risco de vida com minha família”, disse, recebendo promessa de proteção pelo relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR