Moro culpa “polícia de estado administrado pelo PT” por morte de miliciano ligado a Flávio Bolsonaro

Enquadrado por deputados petistas em audiência na Câmara, Moro disse ainda que a inclusão do nome de Adriano da Nóbrega na lista de criminosos mais procurados não era necessária "porque a pessoa foi encontrada"

Enquadrado por parlamentares do PT sobre a não inclusão no rol dos criminosos mais procurados e as circunstâncias do assassinato do miliciano Adriano da Nóbrega, ligado a Flávio Bolsonaro, o ministro da Justiça, Sergio Moro, usou a estratégia aprendida com o chefe, Jair Bolsonaro, atacando os adversários políticos para tentar justificar sua inação no caso.

Indagado pelo deputado Henrique Fontana (PT-SP) sobre as circunstâncias do assassinato do miliciano pela polícia – que havia consultado o Ministério da Justiça sobre a ação -, Moro culpou o PT.

“Essa pessoa foi morta nesse confronto com a polícia. Não estou criticando a polícia lá, as circunstâncias vão ser apuradas. Mas é a polícia de um estado administrado pelo PT”, disse, em relação ao governo Rui Costa, na Bahia.

Mais enfático, Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou porque a PF não se preocupou com a vida criminal de Adriano e não incluiu na lista de mais procurados pela Justiça, já que o miliciano estava há mais de um ano foragido.

Moro disse, então, que a inclusão do nome de Adriano da Nóbrega na lista de mais procurados não era necessária porque a pessoa foi encontrada.

“Essa questão da lista é uma questão falsa. Não é uma lista de todos os procurados, é uma lista dos mais procurados e na avaliação técnica que foi feita essa pessoa não entrou. E se vê que nem era necessário porque a pessoa foi encontrada. Uma lista dos mais procurados não é uma lista de todos os procurados. Haviam razões específicas para não realizar essa inclusão”, disse Moro, sem listar quais seriam essas razões.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR